Literatura

Alexandre Borges: “O amor é uma tarde de domingo”

Paixões excessivas, marginais ou cândidas... trágicas ou com final feliz! O jornalista e escritor Alexandre Borges acaba de reeditar o seu livro "10 Histórias de Amor de Portugal", que percorre alguns dos maiores romances vividos em português.
Versão para impressão

Paixões excessivas, marginais ou cândidas… trágicas ou com final feliz! O jornalista e escritor Alexandre Borges acaba de reeditar o seu livro “10 Histórias de Amor de Portugal”, que percorre alguns dos maiores romances vividos em português. Em entrevista ao Boas Notícias, Alexandre Borges defende que a diferença entre amor e paixão “são as tardes de domingo”.

Destas 10 Histórias de Amor, quais são as que mais o emocionam?

Image and video hosting by TinyPic

Emociona-me a solidão de Maria na sombra de Salazar. O arrebatamento juvenil de Saramago já sexagenário a ir de mochila às costas para Sevilha. O luto de Ernesto Sampaio que se transformou em extrema-unção. O brutal desaparecimento de Sá Carneiro e Snu (que parece mais absurdo quanto mais se pensa nele).

Há exceção do amor de Manoel de Oliveira e Maria Isabel, estas são histórias de pessoas que já cá não estão. Pensa que ainda se ama assim, loucamente, em Portugal e no mundo?

Portugal e o mundo serão hoje mais obcecados com a saúde, com a aparência física, com o número de amigos, com os likes. Terão mais pavor ao silêncio, à solidão e à privacidade. Serão mais acelerados, desfocados e superficiais. Farão demasiado ruído mas, debaixo dele, creio que o amor permanece o mesmo.

Porquê estas 10 histórias e não outras?

Image and video hosting by TinyPic

É o drama de todas as seleções e todos os dias nos confrontamos com ele: cada escolha que fazemos é cercada pelo que deixámos de fora. Procurei que o espetro fosse suficientemente abrangente para que pudesse constituir um pequeno painel do amor em Portugal. Do século XIV ao XXI. Da política à arte. De amores heterossexuais, homossexuais, nunca correspondidos, mais imaginários do que reais. Dos obrigatórios – Pedro e Inês – àqueles que, porventura, surpreenderão o leitor – como Manoel de Oliveira e Maria Isabel. Cedi a estas tentações. Noutro livro, porventura, cederei a outras.


Qual é para si a diferença entre paixão e amor?

As tardes de domingo. A paixão dá-se mal com as tardes de domingo – assusta-se com o vazio. Encher esse vazio com a doçura da preguiça, achar bela a nossa companhia mesmo de pijama e olheiras, amar aquelas horas entre o sofá e o tédio, apreciar o almoço desenrascado entre as sobras do armário e servido em tabuleiros como se fosse o maior dos manjares – isso só o amor.

Com base nestas histórias que o Alexandre viveu de “perto”, que conselhos deixa para viver um amor sem limites?

Se a literatura nos ensinasse a amar, as faculdades de letras teriam mais gente do que o metro em hora de ponta. Mas respondo citando os Kings of Convenience: “Love is no big truth” [“o amor não é nenhuma verdade inquestionável”, em português]. É a única conclusão a que cheguei depois de todos estes anos de intensa investigação.

[Esta semana, no passatempo semanal “Envie-nos a sua Boa Notícias”, oferecemos três exemplares do livro “10 Histórias de Amor em Portugal”]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close