Cultura

Aldeias portuguesas inspiram coleção de estilista

A rede de Aldeias Históricas de Portugal vai passar a ter uma coleção de roupa inspirada na sua própria arquitetura e lendas, bem como nas tradições religiosas e militares de tempos medievais. As peças, todas em lã, estão já a ser produzidas.
Versão para impressão
A rede de Aldeias Históricas de Portugal vai passar a ter uma coleção de roupa inspirada na sua própria arquitetura e lendas, bem como nas tradições religiosas e militares de tempos medievais. As peças, todas em lã, estão já a ser produzidas no ateliê do estilista português Miguel Gigante, na Covilhã.
 
Por enquanto, a estratégia de comercialização ainda está a ser ultimada, mas o processo de criação vai avançando no Atelier do Burel, no qual se juntam técnicas de corte e produção contemporâneas com outras “ainda usadas nas Aldeias Históricas”, como o tricot, o patchwork ou o tear manual.
 
Em declarações à Lusa, Miguel Gigante, o criador da coleção, salientou que “quem comprar [estas peças de roupa] compra também um pedaço de história”. Estes pedaços de história vão de saias a casacos, passando por camisolas e acessórios diversos e, de acordo com o estilista, misturam moldes “contemporâneos, muito confortáveis e elegantes, com o traço da época, mais simples e linear”.


 

É desta mistura que surge, por exemplo, uma capa que conjuga a solenidade do clero, com adereços que a cobrem parcialmente, como uma proteção militar, mas “virada para os ambientes urbanos do dia-a-dia”, desvenda Miguel Gigante.
 
O processo de conceção de cada nova de peça de roupa envolveu visitas às aldeias e a criação de esboços “que diluem o passado em peças de roupa contemporânea”.

A partir destes, cada peça é criada manualmente no ateliê covilhanense, onde as costureiras e operadoras da zona de produção de encontram lado a lado com o espaço de venda ao público e o recanto do trabalho do estilista.
 

Segundo o estilista, que já começou a partilhar na página de Facebook do Atelier de Burel as primeiras imagens das peças, a embalagem e a marca “vão dar o toque final ao produto”.

Aposta em projetos de empreendedores nacionais
 

De destacar que a ideia de criar uma coleção de roupa inspirada nas aldeias históricas portuguesas faz parte da imagem renovada apresentada em Fevereiro pela rede de Aldeias Históricas de Portugal em Fevereiro.
 
À data, como o Boas Notícias adiantou, Ricardo Alves, presidente da associação, defendeu que, depois dos investimentos em infraestruturas, é hora de apostar “nos bens imateriais e nos projetos de empreendedores”.
 
O responsável acredita que novas ideias, associadas a investimentos tradicionais em alojamento e restauração, podem atrair mais turistas e fazer com que eles possam pernoitar nas aldeias, gerando receitas, pelo que a rede coloca ao dispor dos empreendedores que queiram apostar no território a marca Aldeias Históricas e uma equipa de apoio.
 
A rede das Aldeias Históricas de Portugal é constituída por Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close