Ambiente

Águia-pesqueira regressa a Portugal

NULL
Versão para impressão

Dez anos depois da águia-pesqueira ter abandonado o território nacional, a CIBIO (Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos) e o ICNB (Instituto para a Conservação da Natureza e Biodiversidade), com financiamento da EDP, juntaram esforços para reintroduzir a ave em Portugal. Neste momento, pelo menos 10 destas aves habitam no Alqueva.

Embora a sua população seja sempre reduzida, no final do século XX subsistiam bastantes exemplares da águia-pesqueira na costa rochosa portuguesa, onde a espécie era conhecida por guincho (daí existirem alguns nomes referentes à presença histórica da espécie, como por exemplo Praia do Guincho). 

Os especialistas calculam que o principal motivo da sua extinção em Portugal esteja relacionado com a diminuição do seu alimento natural e a pressão humana, ou seja, os turistas, os profissionais da pesca e praticantes de desportos relacionados com o mar ou caminhadas nas zonas onde estas aves faziam ninho.

Em julho, chegaram cinco aves da Suécia e outras cinco da Finlândia que foram instaladas em gaiolas na zona do Alqueva, considerado o local mais indicado para a nidificação destas águias.

Andreia Dias, coordenadora executiva do projeto, contou ao Boas Notícias que – depois de um período de monitorização, para garantir que se estavam a adaptar sem problemas – as aves foram libertadas, no final de agosto (exceto um indivíduo que está a recuperar de um problema articular).

Reprodução em 2013

Está também em curso a colocação de ninhos artificiais nas ilhas da albufeira do rio a fim de facilitar a nidificação das aves libertadas naquela região após dois anos passados nas áreas de migração, geralmente na África Ocidental (Sene Gâmbia, Guiné-Bissau).

Andreia Dias “espera que as aves que sobrevivam até à idade reprodutora e voltem à área de libertação para se reproduzirem”. “O regresso das aves sobreviventes nos programas de reintrodução de águia-pesqueira costuma ocorrer com 2 a 3 anos de idade, pelo que se espera que as primeiras aves regressem em 2013”, explica.

Todas as águias pesqueiras libertadas têm uma anilha e serão monotonizadas pelos especialistas, com o objetivo de conhecer as rotas utilizadas durante a dispersão e migração das aves a curto prazo e, a médio prazo, a identificação e localização de aves regressadas em idade reprodutora.

Segunda tentativa de reintrodução

Esta é a segunda tentativa de resgatar esta ave. Já em 1999, perante a eminente extinção espécie em Portugal, foi elaborado um projecto de recuperação que previa a transferência de jovens aves de outras populações e sua libertação neste território.

O projeto contou com o apoio de especialistas de todo o mundo e chegaram a ser visitados países com potenciais populações dadoras – Córsega, Escócia, Cabo Verde – e restaurado um edifício situado na Torre de Aspa, no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, para servir de base.

Estas acções foram suportadas financeiramente pelo então ICN – Instituto para a Conservação da Natureza. Apesar do extenso trabalho desenvolvido, o projecto acabou por não ter seguimento por lhe ter sido retirado o apoio institucional do Estado.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close