Sociedade

Afinal, viajar na auto-estrada é mais barato

Contrariamente ao que podemos ser levados a pensar, viajar na auto-estrada (AE) é, afinal, mais barato do que fazer o mesmo percurso em estradas nacionais - mesmo com portagens.
Versão para impressão
Contrariamente ao que podemos ser levados a pensar, viajar na auto-estrada (AE) é, afinal, mais barato do que fazer o mesmo percurso em estradas nacionais – mesmo com portagens. A conclusão é de um estudo português apresentado esta terça-feira, que revelou também que as auto-estradas são 70% mais seguras para os condutores. 
 
O estudo, encomendado pela Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias e Auto-Estradas ou Pontes com Portagens (APCAP) à empresa de consultoria TIS, comparou 10 percursos, no período de verão, centrando-se em veículos de classe 1 (ligeiros) e baseando-se nos dados de distância e tempo de viagens disponibilizados pelo Google Maps.
 
No âmbito da análise foram considerados dois fatores principais, nomeadamente a segurança rodoviária e os custos da viagem em três componentes: o tempo despendido, o custo operacional e o custo de portagem.
 
De acordo com o relatório a que a Lusa teve acesso, “ponderando todos os custos considerados, conclui-se que o itinerário auto-estrada apresenta, na generalidade dos percursos, um custo inferior às alternativas consideradas de, em média, 5%”. 
 
A viagem entre Lisboa e Porto por auto-estrada, por exemplo, custa 77,75 euros, ao passo que, por estrada nacional, o valor sobe para 78,09 euros. No caso da distância entre Lisboa e Albufeira, o valor em AE é de 66,45 euros e em estrada nacional 67,15 euros. 

“Poupança” de 10% na distância percorrida
 

Segundo o estudo, o único percurso entre os analisados em que a estrada nacional apresenta vantagem é o que liga Leiria a Mira (22,10 euros contra 22,75 em auto-estrada). As diferenças menos significativas entre os preços dizem respeito aos itinerários entre Lisboa e Cascais e Lisboa e Mem-Martins (4,20 euros em estradas nacionais contra 4 euros em auto-estrada).
 
A consultora analisou, também, o fator tempo, indicando um valor simbólico de três euros/hora por passageiros em viagem feita por duas pessoas, tendo sido demonstrado que a utilização da auto-estrada pode permitir uma redução “superior a metade do tempo necessário para efetuar a viagem nas alternativas efetuadas”.
 
A escolha da auto-estrada pode, segundo o documento, representar uma “poupança” de 10% na distância percorrida, reduzir em até 25% o consumo global de combustível (embora a velocidade elevada aumente o consumo em 10%, a manutenção de uma velocidade estável contribui para o cortar em 25%) e ajudar, também, a proteger o veículo contra o desgaste.
 
De realçar que o relatório concluiu ainda que as taxas de sinistralidade nos percursos feitos em auto-estrada são cerca de 70% inferiores às registadas em itinerários alternativos. “Estes resultados estão em linha com valores internacionais publicados”, sublinham os autores.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close