Saúde

Adoçante comum poderá tratar cancros agressivos

A sacarina, usada comumente como adoçante artificial, pode ter propriedades anticancerígenas. Este substituto do açúcar tem potencial para vir a ser utilizado no desenvolvimento de fármacos destinados ao combate de cancros agressivos.
Versão para impressão
A sacarina, usada comumente como adoçante artificial, pode ter propriedades anticancerígenas. De acordo com um estudo norte-americano, este substituto do açúcar tem potencial para vir a ser utilizado no desenvolvimento de fármacos destinados ao combate de cancros agressivos e difíceis de tratar com menos efeitos secundários que os tratamentos convencionais.
 
A descoberta é da responsabilidade de um grupo de investigadores da Universidade da Flórida, nos EUA, que vai apresentar, esta quinta-feira, as suas conclusões durante o 249.º  Encontro Nacional da Sociedade Americana de Química (ACS, na sigla em inglês), a maior sociedade científica do mundo. 
 
Os cientistas concluíram que a sacarina é capaz de desativar a anidrase carbónica IX, uma proteína presente nos tipos de cancro mais agressivos e que contribui para que doenças como o cancro da mama, do pulmão, do fígado, do rim, do pâncreas e do cérebro cresçam e se espalhem pelo organismo.
 
De acordo com os investigadores, esta proteína ajuda a regular o pH das células cancerígenas, permitindo o crescimento dos tumores e, potencialmente, o aparecimento de metástases. 
 
Agora que se sabe que a sacarina consegue “anular” o seu funcionamento, a equipa quer desenvolver fármacos baseados neste substituto do açúcar para atrasar a progressão do cancro e, em última instância, torná-lo menos resistente à quimioterapia e às terapias de radiação. 
 
“É fascinante o facto de uma simples molécula, a sacarina – algo que muitos de nós colocam no café diariamente – poder ter aplicações ainda desconhecidas e ser, até, uma possibilidade no tratamento de cancros agressivos”, afirma, em comunicado, Robert McKenna, principal autor do estudo.
 
Segundo McKenna, “este resultado abre caminho ao desenvolvimento de novos medicamentos contra o cancro derivados deste substituto comum do açúcar e que podem ter um impacto no tratamento de várias doenças oncológicas a longo-prazo”. 

Composto testado em células de cancro da mama e do fígado
 

Uma vez que a anidrase carbónica IX não é, habitualmente, encontrada em células humanas saudáveis, existindo apenas no tracto gastrointestinal, os investigadores consideram-na “uma arma privilegiada para a criação de fármacos que causem poucos ou nenhuns efeitos secundários nos tecidos saudáveis à volta dos tumores”. 
 
O único obstáculo que se colocava, até ao momento, para os cientistas era o facto de esta proteína ser semelhante a outras de que o nosso organismo necessita para funcionar, pelo que o tratamento teria de ser altamente direcionado à anidrase carbónica IX de forma a não “atacar” as restantes. 
 
As novas descobertas norte-americanas permitiram, porém, determinar o modo como a sacarina se “liga” a esta proteína e de que forma outros compostos baseados no substituto do açúcar podem ser “modificados” para melhorar  esta ligação e incrementar o seu potencial anticancerígeno.
 
Neste momento, McKenna e os colegas estão a testar os benefícios da sacarina e dos seus derivados em células do cancro da mama e do fígado e, caso a experiência seja bem-sucedida, a equipa deverá avançar para estudos com animais.

Notícia sugerida por António Resende e Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close