Mundo

Achada imagem dos filhos de Cleópatra e Marco António

Uma investigadora italiana identificou, numa escultura conservada no Museu do Cairo, a única imagem até hoje descoberta que representa os dois filhos gémeos da rainha egípcia Cleópatra VII e do general romano Marco António.
Versão para impressão
Uma investigadora italiana identificou, numa escultura conservada no Museu do Cairo, a única imagem até hoje descoberta que representa os dois filhos gémeos da rainha egípcia Cleópatra VII e do general romano Marco António.
 
A investigadora Giuseppina Capriotti explicou que, após vários anos de pesquisa, conseguiu provar que as duas crianças representadas na escultura (abraçadas e com o Sol e a Lua sobre as suas cabeças) são os gémeos que nasceram fruto da relação de Cleópatra com Marco António, batizados com os nomes de Cleópatra Selene II e Alexandre Helios.
 
Giuseppina Capriotti baseia as suas conclusões, divulgadas pelo Polish Centre of Mediterranean Archaeology (da Universidade de Warsaw) e reconhecidas pelo Conselho Nacional de Investigação Italiano, em considerações iconográficas e simbólicas.

Rapariga aparece sob o símbolo da Lua e rapaz do Sol

 
A escultura, que representa os gémeos a nu, mede cerca de um metro e foi encontrada num templo dedicado à deusa Hathor, na cidade de Dendera, no Egito.
 
Sobre a menina aparece o símbolo da Lua, que se identifica com o nome de Cleópatra Selene (Selene, a deusa grega da Lua), enquanto sobre o menino surge o Sol, que representa igualmente o seu nome, Alexandre Helios (Helios, personificação do Sol na mitologia grega).
 
“No Egito, a Lua era um símbolo para os homens e o Sol para as mulheres, mas há que ter em conta a contaminação da cultura grega na relação de Cleópatra com Marco António”, explicou Giuseppina Capriotti à agência EFE.
 
A investigadora adiantou que, na altura do nascimento dos gémeos, houve um eclipse que pode ter inspirado o nome das crianças e o facto de estarem representadas abraçadas.
 
Da relação entre Cleopatra e Marco António, no ano 40 a.C., nasceu ainda outro filho, Ptolomeu Filadelfo. A única representação que se conhecia de um dos três filhos do casal era uma imagem do rosto de Selene, que terá sido a única criança a viver até à idade adulta e foi casada com o rei africano Juba II de Numidia.
 
Giuseppina Capriotti aponta a hipótese de que, depois do suicídio dos progenitores, os dois rapazes tenham tido “seguramente um triste destino”.

A investigadora recordou ainda que as dinastias posteriores a Cleopatra tentaram destruir as representações iconográficas dos seus herdeiros.


Clique AQUI para aceder ao comunicado do Conselho Nacional de Investigação Italiano.

[Notícia sugerida por Diana Rodrigues]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close