Saúde

Abacate pode ser o segredo para tratar a leucemia

O segredo para o tratamento da leucemia mielóide aguda (LMA) pode estar nos abacates. Investigadores canadianos descobriram a existência, neste fruto, de um tipo específico de gordura que atua sobre as células estaminais da doença.
Versão para impressão
O segredo para o tratamento da leucemia mielóide aguda (LMA) pode estar nos abacates. Investigadores canadianos descobriram a existência, neste fruto, de um tipo específico de gordura que atua sobre as células estaminais da doença e que, no futuro, poderá aumentar a esperança de vida dos pacientes.
 
A descoberta foi feita por uma equipa da Universidade de Waterloo, no Canadá, que concluiu que este lípido – denominado “avocatina B” – pode ser utilizado para o desenvolvimento de um fármaco que aumente a sobrevivência e a qualidade de vida dos doentes com LMA.
 
“As células estaminais são as que, de facto, conduzem a doença e são largamente responsáveis pelo seu desenvolvimento e, muitas vezes, pelas reincidências”, explica, em comunicado, Paul Spagnuolo, cientista daquela universidade e principal autor do estudo publicado, esta semana, na revista científica Cancer Research. 
 
Segundo Spagnuolo, os investigadores fizeram “uma série de testes para determinar de que forma este novo fármaco funciona a nível molecular” e confirmaram “que o mesmo ataca, seletivamente, as células estaminais, deixando intactas as células saudáveis”.  
 
A equipa está, neste momento, à procura de parceiros comerciais que possam ajudar a iniciar ensaios clínicos com a “avocatina B”, que, além de eliminar a verdadeira raiz da doença, tem um efeito “direcionado” que a torna menos tóxica para o organismo do que os tratamentos convencionais, destaca o investigador.
 
Embora alerte que será preciso esperar vários anos até à aprovação do composto para uso na oncologia clínica, Spagnuolo está já a realizar experiências para o preparar para um ensaio clínico de fase I, durante o qual os pacientes diagnosticados vão poder começar a ter acesso ao novo medicamento.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close