i9magazine

A internacionalização como desígnio estratégico e propulsor da competitividade de Portugal

Versão para impressão

Com efeito, no horizonte temporal das últimas três a quatro décadas, constata-se que a economia mundial observou um conjunto de transformações profundas, que se enquadram no processo de globalização. Nesse contexto, assistiu-se ao desenvolvimento de uma complexa teia de ligações e interconexões entre os diferentes países, que é explicado pela crescente desregulamentação, liberalização e privatização dos mercados e por notáveis avanços das tecnologias de informação, das comunicações e dos transportes, de que emergem as empresas como principal ator.

Ou seja, se outrora a empresa tinha como ponto de relevância estratégica fundamental o seu espaço nacional ou regional, vê-se agora forçada a reagir a todo o momento ao conjunto de oportunidades e ameaças que a envolvente global lhe coloca. Nesse cenário onde o jogo concorrencial se desenrola a uma escala planetária, a melhor resposta das empresas passa pela conquista de novos espaços de atuação, onde aproveite e potencie as vantagens competitivas já detidas (crescentemente sustentadas em ativos assentes no conhecimento e baseados em mecanismos de inovação tecnológica e organizacional), desenvolvendo em simultâneo novas vantagens que possibilitem contornar as limitações com que se depare no país de origem. A projeção da sua atividade para o exterior não se restringe assim às grandes empresas mas envolve um número exponencial de PME, deixando de constituir uma mera opção para se transformar numa verdadeira questão de sobrevivência e que obedece a novas motivações como sejam a obtenção de economias de escala, beneficiar de efeitos de aprendizagem ou adquirir um novo posicionamento competitivo decorrente da atuação em várias “plataformas”.

Consequentemente, a forma de entrada no país de destino constitui uma das decisões estratégicas mais críticas para o processo de internacionalização da empresa, deparando-se-lhe diferentes opções que implicam um trade-off entre grau de exposição ao risco e comprometimento de recursos nos mercados externos. Iniciando-se normalmente pela via da exportação, as empresas tendem a evoluir para formas mais avançadas de operação internacional mediante o licenciamento de tecnologia e/ou uma determinada marca, e a optar subsequentemente pelo investimento direto (com objetivo de assumir um grau significativo de influência na gestão de uma empresa no estrangeiro, com uma perspetiva de explorar a longo prazo os recursos aplicados), ainda que mais recentemente se diluam as fronteiras entre estas modalidades de internacionalização, assistindo-se a investimentos cruzados ou alianças estratégicas entre empresas de diferentes países, que se expressam em acordos de cooperação industrial ou comercial com vista à obtenção de um benefício mútuo.

Ora, num contexto de acentuado acréscimo de concorrência tanto no seio da União Europeia como a nível global (face à emergência do “gigante chinês), deve afirmar-se sem tibiezas que o desempenho da economia portuguesa depende significativamente da sua inserção neste processo de expansão além-fonteiras. Essa evolução é constatada no reforço da intensidade exportadora das empresas nacionais (que ultrapassa 40% da produção) e na diversificação dos respetivos mercados de destino, com uma intensificação tecnológica dos produtos exportados que reflete o enfoque colocado na inovação e diferenciação, da mesma forma que se assiste a um fluxo ascendente de investimento direto no exterior que atingiu volumes de capital sem precedentes, com a deslocalização crescente para mercados extra-comunitários, como os PALOP e o Brasil. Tendo presente que não constitui um fenómeno transitório mas um movimento ilustrativo da gradual participação do nosso tecido empresarial nas cadeias internacionais de valor, importa pois consolidar e sedimentar esta trajetória, que uma vez acompanhada pela (re)captação de investimento estrangeiro estruturante, poderá direcionar Portugal no rumo certo. Assim esteja o país à altura deste desafio.

Miguel Fonseca
Professor Auxiliar da Faculdade Economia da Universidade Porto, Investigador/Especialista em internacionalização e integração europeia

O conteúdo A internacionalização como desígnio estratégico e propulsor da competitividade de Portugal aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close