Cultura

A Comuna celebra 40 anos com estreia no São Luiz

O grupo de teatro A Comuna está prestes a completar 40 anos. Para marcar quatro décadas de "dramaturgia de rutura" estreia esta quinta-feira, em Lisboa, no Teatro São Luiz, a peça "A controvérsia de Valladolid".
Versão para impressão
O grupo de teatro A Comuna está prestes a completar 40 anos. Para marcar quatro décadas de “dramaturgia de rutura” estreia esta quinta-feira, em Lisboa, no Teatro São Luiz, a peça “A controvérsia de Valladolid”.
 
“A peça fala de democracia, de nós e dos direitos dos outros”, disse à Lusa João Mota, que a encenou e é um dos fundadores do grupo de Teatro de Pesquisa A Comuna, com sede na praça de Espanha (Lisboa).
 
A história d'A Comuna também se regeu, desde o início, pelos mesmos princípios: “a comunidade natural dos criadores sem escalões diferenciados no salário, nas responsabilidades, uma relação frontal com a outra comunidade, os espetadores”, adiantam os representantes do grupo no website oficial.
 
Recusaram-se desde início a receber subsídios do Estado e tiveram o primeiro financiamento da Fundação Calouste Gulbenkian. Percorream Portugal “de lés a lés” e, a partir de 1973, cruzaram as fronteiras portuguesas para mostrar o seu trabalho um pouco por todo o mundo. Em 1974 e 75 foram pioneiros nas Campanhas de Dinamização Cultural do MFA.
 
“A Comuna orgulha-se de estar viva e de continuar a ser um espaço permanente de Pesquisa de um Teatro Vivo, dramaturgia de rutura, espaço de nascimento e crescimento de novos atores e autores, um laboratório permanente em consonância com um público que conhecemos já em terceira geração, e que sabe que cada vez que vem à nossa Casa é para partilhar um espaço que também lhe pertence”, escrevem na sua página online.

Peça fala sobre a alma dos nativos norte-americanos
 
A peça apresentada a partir de hoje no São Luiz passa-se em Valladolid, no século XVI, cenário de um debate entre o frade beneditino Bartolmeu de las Casas e o filósofo Juan Ginés de Sepúlveda, sobre a natureza da alma dos nativos norte-americanos.
 
“A peça coloca em confronto las Casas, que defende que os povos são todos iguais, porque em todos corre o sangue de Cristo, e logo os índios são pessoas iguais a todas as outras, e o estudioso Sepúlveda, um rato de biblioteca, que riposta afirmando que os índios não têm uma alma com qualidade, são idênticos aos animais, a não ser que se convertam ao catolicismo”, diz o encenador à Lusa.
 
“Apesar de se ter passado no século XVI, é de uma atualidade impressionante, porque também hoje, infelizmente, em pleno século XXI, continuamos com uma Europa dos ricos e a dos pobres – dentro de cada país os pobres são cada vez mais miseráveis e os que não eram pobres passam a ser”, afirmou João Mota.
 
O ator Carlos Paulo é Bartolomeu de las Casas, Virgílio Castelo desempenha Sepúlveda e Álvaro Correia o cardeal. O restante elenco é constituído por Carlos Vieira D'Almeida, Carlos Paniágua, Alexandre Lopes, Miguel Sermão, Mia Farr, Pessoa Júnior e as crianças João Marços e Ruben Carvalho.
 
O encenador Jean-Claude Carrière, 80 anos, trabalhou com o cineasta Luis Buñuel, sendo o argumentista de “Belle du jour” e “O charme discreto da burguesia”, entre outros filmes, e com Peter Brook, altura em que João Mota o conheceu.
 
Como habitualmente, na noite de 30 de abril para 01 de maio, A Comuna vai ainda realizar “uma grande festa” na Praça de Espanha.

Para outras informações sobre a peça, consulte o site do São Luiz, AQUI. Clique AQUI para aceder ao site d'A Comuna.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close