Ciência

A aprendizagem da língua começa no útero

Um novo estudo revela que os bebés começam a aprender a língua materna quando ainda estão dentro da barriga da mãe.
Versão para impressão
Um novo estudo revela que os bebés começam a aprender a língua materna quando ainda estão dentro da barriga da mãe. Os investigadores da Universidade Pacific Lutheran, nos EUA, provaram que os recém-nascidos reagem de maneira diferente ao som das vogais estrangeiras e nativas.
 
As crianças foram testadas num período de tempo que variou entre as 7 e as 75 horas após o nascimento e deram provas de tratar todas as vogais da sua língua como semelhantes, o que demonstra que os recém-nascidos encaram estes sons como pertencentes à mesma categoria.

Já as vogais pronunciadas em línguas estrangeiras foram interpretadas como sons estranhos e desconhecidos, revela em comunicado a psicóloga Christine Moon, que coordenou a equipa do estudo publicado este mês no jornal Acta Paediatrica.
 

“Parece que há uma aprendizagem pré-natal da linguagem mas não sabemos ainda qual a extensão desta aprendizagem”, diz a psicóloga.
Os cientistas já sabiam que partir dos sete meses e meio, os fetos conseguem ouvir os sons do mundo exterior. Já havia provas, também, de que conseguiam aprender conceitos como ritmo, melodia e nível de som. Mas esta é a primeira vez que se comprova a sua capacidade de distinguir línguas.
 
A equipa da psicóloga Moon avaliou 80 recém-nascidos – metade em hospitais dos Estados Unidos e outra metade em hospitais da Suécia. Cada criança era avaliada enquanto estava deitada no berço, num quarto silencioso, com auscultadores colocados perto dos seus ouvidos. Com uma chupeta ligada a um computador, os investigadores conseguiram medir a reação dos bebés às vogais que ouviam.
 
A gravação de voz continha 17 variantes do ‘i' prolongado em inglês (como aquele que se ouve na palavra ‘free’) e 17 variantes de uma vogal sueca com um som semelhante a ‘yeh’ . De acordo com os registos, os investigadores notaram que os bebés chuparam com mais intensidade e por mais tempo as chupetas quando ouviam os sons estrangeiros, demonstrando interesse nas sonoridades desconhecidas.
 
Todas as versões das vogais nativas obtiveram a mesma reação em termos de intensidade de utilização da chucha, o que indica, diz a psicóloga, que os recém-nascidos encaram estes sons como sendo parte de uma determinada categoria familiar.

“A mãe tem primazia de influenciar o cérebro das crianças. As vogais são os sons que captam mais atenção do bebé”, diz uma das co-autoras do estudo, Patricia Kuhl, no mesmo comunicado de imprensa da universidade.
 
As crianças aprendem e absorvem facilmente novas informações. Perceber como este processo ocorre pode, segundo os investigadores, ajudar a encontrar formas para melhorar a aprendizagem noutras fases do crescimento.

Clique AQUI para consultar o comunicado da Universidade (em inglês)

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close