Mundo

80% dos cidadãos apoiam acolhimento de refugiados

A larga maioria dos cidadãos (80%) acolhe os refugiados de braços abertos, com muitas pessoas a mostrarem mesmo recetivas a receberem-nos em suas casas, apurou uma sondagem da Amnistia Internacional.
Versão para impressão
A larga maioria dos cidadãos (80%) acolhe os refugiados de braços abertos, com muitas pessoas a mostrarem-se mesmo recetivas a receberem-nos em suas casas, apurou uma sondagem da Amnistia Internacional. China, Alemanha e Reino Unido estão no topo do índice dos 27 países onde foi medida a aceitação de refugiados.
 
Este novo “Refugees Welcome Index” (Índice de Acolhimento dos Refugiados), resultante de uma sondagem mundial a mais de 27.000 inquiridos pela GlobeScan, classifica 27 países de todos os continentes com base na disponibilidade dos cidadãos em acolher refugiados a viverem nos seus países, cidades, bairros e nas suas próprias casas.
 
“Estes números falam por si mesmos. As pessoas estão prontas a fazer com que os refugiados sejam bem-vindos, mas as respostas desumanas dos governos à crise de refugiados estão em desarmonia flagrante com a opinião dos seus próprios cidadãos”, frisa o secretário-geral da Amnistia Internacional, Salil Shetty, numa nota da Amnistia Internacional. 
 


A China conquistou o primeiro lugar do Índice de Acolhimento dos Refugiados, seguida pela Alemanha e pelo Reino Unido. Os países com resultados mais baixos foram a Rússia, a Indonésia e a Tailândia.

19,5 milhões de refugiados no mundo
 
Globalmente, uma pessoa em cada dez aceitaria acolher refugiados em sua casa: este número sobe para os 46% na China, é de 29% no Reino Unido e de 20% na Grécia; mas de apenas 1% na Rússia e na Indonésia
 
Globalmente, apenas 17% dos inquiridos recusaram totalmente a ideia de receber refugiados nos seus países. E apenas num país, na Rússia, mais de um terço dos inquiridos (61%) expressaram recusa a permitir a entrada de refugiados.
 
Para responder à crise global de refugiados, a Amnistia Internacional apela aos governos a reinstalarem 1,2 milhões de refugiados até ao final de 2017. Um valor muito acima dos 100 mil por ano que os governos estão atualmente a acolher anualmente – mas também muito inferior aos 19,5 milhões de refugiados que existem no mundo.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close