Mundo

44 judeus salvos por Sousa Mendes visitaram Portugal

?Viagem pela estrada da liberdade? foi o nome da iniciativa que trouxe a Portugal 44 representantes de 17 famílias que, em 1940, foram salvas pelos vistos do cônsul de Bordéus. Os elementos desta Estrada da Liberdade fizeram o mesmo percurso que os r
Versão para impressão
“Viagem pela estrada da liberdade” foi o nome da iniciativa que trouxe a Portugal 44 representantes de 17 famílias que, em 1940, foram salvas pelos vistos do cônsul de Bordéus. Os elementos desta Estrada da Liberdade fizeram o mesmo percurso que os refugiados percorreram na II Guerra Mundial, entre França e Portugal.
 
Vieram de sete países e estão unidos a Portugal por um elo comum: o visto que os conduziu, a eles ou às suas famílias diretas, até terras lusas. Entre os refugiados desta comitiva, encontrava-se Lissy Jarvik, ex-presidente da Sousa Mendes Foundation que ainda retém na memória o dia em que, ainda criança, entrou no nosso país. 
 
Nesta iniciativa de homenagem ao "cônsul desobediente", promovida pela Sousa Mendes Foundation (EUA), os 44 elementos das famílias de refugiados atravessaram a pé a ponte que liga Franca a Espanha, em Irun. A mesma ponte que, há 76 anos, foi atravessada por milhares de pessoas que, graças ao cônsul português, escaparam ao regime nazi. 
 


O grupo entrou em Portugal em Vilar Formoso, seguindo depois para a recém recuperada casa do cônsul Sousa Mendes, em Cabanas de Viriato, onde em breve vai inaugurar o museu Aristides de Sousa Mendes.  
 
Em Lisboa, os peregrinos da "Estada da Liberdade" assistiram ao documentário de Diana Adringa, o Cônsul Injustiçado, no Museu no Aljube e foram ainda recebidos pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém.

A visita a Portugal terminou com um passeio de barco pelo Tejo, simbolizando a viagem que muitas destas famílias fizeram para atravessar o Atlântico e chegar às Américas, conta a Sousa Mendes Foundation numa nota de imprensa.

 
De acordo com a fundação, a partir de França, onde desempenhava a sua missão diplomática, o cônsul Aristides de Sousa Mendes, emitiu cerca de 3.700 vistos, contrariando as ordens do governo de Salazar que, através de uma circular, tinha proibido a emissão de vistos a judeus e outras cidadãos, como os ciganos.
 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close