Cultura

1ª Exposição de fotos com realidade aumentada

Project Paperclip é a primeira exposição fotográfica a nível mundial a utilizar realidade aumentada. O conceito - em exibição no Centro de Artes da Calheta (Madeira) - é do criativo português Nuno Serrão e oferece ao visitante uma interpretação sonor
Versão para impressão

Project Paperclip é a primeira exposição fotográfica a nível mundial a utilizar realidade aumentada. O conceito – em exibição no Centro de Artes da Calheta (Madeira) – é do criativo português Nuno Serrão e oferece ao visitante uma interpretação sonora das fotografias. 

Para além de captar o momento exibido na fotografia, a exposição Project Paperclip acompanha as imagens de ambientes sonoros, fazendo com que o público passe por uma experiência não só visual mas também auditiva.

A iniciativa – inédita a nível mundial – está a ter projeção a nível internacional, em meios especializados como o site TheNextWeb ou o Ubbergizmo.

Para usufruir da experiência, o visitante que possua um iPhone 3 ou superior deverá fazer o download gratuito da aplicação Project Paperclip na AppStore da Apple.

Depois – na exposição ou no site da mesma e equipado com auscultadores – basta ligar a aplicação e apontar o iPhone para o código QR da fotografia. Após o scan, é acionada uma paisagem sonora para cada obra.

A experiência é única a cada utilização, já que a 'banda sonora' gerada varia de acordo com as horas do dia, o nível de ruído existente na sala, a voz, o movimento e localização do utilizador, entre outras.

O conceito da aplicação Project Paperclip foi criado por Nuno Serrão, o algoritmo e interface, desenvolvido com Yuli Levtov e as paisagens sonoras criadas com alexnoise.

Guerra Fria como fio condutor

Em Project Paperclip, a Guerra Fria é o fio condutor por entre as fotografias e paisagens sonoras. “Pode parecer estranho que o mais perigoso conflito da humanidade se torne fonte de inspiração mas, se é verdade que em nenhum outro momento da história estivemos tão perto da autoextinção, é igualmente verdade que nunca tivemos tão poucos limites à imaginação”, lê-se no comunicado da mostra.

Durante este período, a ciência era alimentada pelo financiamento militar e, os cientistas eram estimulados a um nível de inovação e competitividade sem paralelo, explica ainda o texto.

As fotografias paisagísticas e conceptuais, aliadas a 'soundscapes', pretendem transmitir um sentimento de divagação e rodear o visitante “numa realidade paralela, inspirada pela ciência e pela curiosidade”.

Clique AQUI para aceder ao site oficial do projeto.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close