Espetáculos e Exposições

1ª Bienal Portugal Arte mostra 250 artistas

A 1ª Bienal Portugal Arte 2010 - EDP começa a 16 de julho e vai percorrer durante um mês as cidades de Lisboa, Grândola, Portimão e Vila Real de Santo António. A mostra internacional de arte contemporânea conta com a participação de 250 artistas naci
Versão para impressão
A 1ª Bienal Portugal Arte 2010 – EDP começa a 16 de julho e vai percorrer durante um mês as cidades de Lisboa, Grândola, Portimão e Vila Real de Santo António. A mostra internacional de arte contemporânea conta com a participação de 250 artistas nacionais e estrangeiros.

No total serão apresentadas cerca de 600 obras de arte pública, escultura, instalações, pintura e multimédia. A primeira edição desta bienal de arte é organizada pela Associação Portugal Arte e pelas autarquias envolvidas com o apoio da Fundação EDP.

A mostra pretende envolver a arte contemporânea com a comunidade e vai ter lugar em sítios improváveis, desde espaços públicos, centros históricos, praças, praias e espaços históricos interiores, conforme afirma a organização em comunicado.

Os artistas que participam nesta edição da Bienal foram seleccionados através de um processo curatorial internacional e descentralizado composto por artistas, escritores, designers, e arquitetos liderado por Stefan Simchowitz, diretor artístico da iniciativa.

Investimento ronda “um milhão de euros”

Em Lisboa os projetos de arte pública serão instalados em áreas distintas como Baixa-Chiado e a Avenida da Liberdade, Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações.

Em Grândola terá lugar na Biblioteca Municipal. Em Portimão será o  Teatro Tempo a acolher parte da mostra. O Centro Cultural António Aleixo, em Vila Real de Santo António, no centro histórico também é outro dos locais escolhidos para o Portugal Arte.

Emily Mãe Smith, Drew Heitzler, Esteban Schimpf, Roberto Diago, Jim Drain, Kelly Barrei, David Hendren, Artemio Narro, e os portugueses Gabriel Abrantes, João Louro, Miguel Arruda e Miguel Palma são alguns dos artistas representados na mostra de arte contemporânea.

A bienal irá atribuir um Prémio Internacional de Arte Pública dirigido a artistas nacionais e estrangeiros no valor de 10 mil euros.

As obras de arte com dimensão pública criadas no âmbito do prémio serão produzidas em Portugal com materiais portugueses, e colocadas depois em instalações da EDP, a principal patrocinadora que em declarações à Lusa revelou que irá investir mais de um milhão de euros neste projeto.

“Este projeto tem todas as qualidades para ser diferenciador, e é na inovação que se deve apostar cada vez mais”, justificou António Mexia.

O presidente da Associação Portugal Arte, Miguel Carvalho, sintetizou que o objetivo desta bienal é “promover a ligação de Portugal a instituições culturais internacionais de renome”. Garante que é uma oportunidade única de “mostrar o trabalho de artistas portugueses para lá das nossas fronteiras e trazer ao nosso país grandes nomes da arte contemporânea”.

“Queremos também levar a arte contemporânea a um público mais diversificado e a locais fora do habitual, como estações de comboio, nas ruas e nas praças” das cidades onde a primeira edição da bienal decorrerá entre 16 de julho e 15 de agosto.

 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close