Ambiente

10 anos para salvar o planeta

Adoptar uma estratégia global para reduzir as pressões sobre a biodiversidade de forma a estancar definitivamente o seu desaparecimento acelerado até 2020 é o objetivo da 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre a Diversidade Biológica que reúne
Versão para impressão
Adoptar uma estratégia global para reduzir as pressões sobre a biodiversidade de forma a estancar definitivamente o seu desaparecimento acelerado até 2020 é o objetivo da 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre a Diversidade Biológica que reúne, até dia 29, 193 países em Nagoya, Japão.

Segundo relatório divulgado na última semana pela organização não governamental WWF, o planeta já perdeu 30% da biodiversidade. Nos países tropicais, a percentagem de perda chega a 60% da fauna e flora originais.

A conferência COP-10, que arrancou hoje, é a primeira grande reunião após o reconhecimento generalizado do insucesso do plano elaborado em 2002 para travar a perda de Biodiversidade até 2010.

Durante 12 dias especialistas vão tentar encontrar estratégias para acabar com a extinção de espécies animais e vegetais até 2020, uma meta já definida na conferência anterior realizada em Bona, em 2008.

O encontro que decorre no Japão pretende também abordar as diferentes formas de dividir com equilíbrio os lucros provenientes de recursos naturais e os custos para a preservação das espécies.



Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), é necessário agir “de forma efetiva e imediata (…) para que em 2020 todas as políticas e acções necessárias estejam já a ser implementadas” de forma que “em 2050 a Biodiversidade seja valorizada e conservada, recuperada e usada de forma sensata, sustentando um planeta saudável e disponibilizando benefícios a toda a gente”.

Segundo Jane Smart, que lidera o grupo de trabalho na UICN que se dedica à Conservação da Biodiversidade “atingimos o ponto a partir do qual não é possível voltar atrás em muitas áreas do mundo natural, perdendo inúmeras espécies e os serviços do meio natural em que vivemos”.

“A Conferência em Nagoya pode ser a última oportunidade para traçar um novo plano que funcione – não existe um “Plano B” nem muito menos um “Planeta B”, acrescentou.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close