Saúde

Yoga pode tratar dores de costas crónicas

As dores de costas crónicas que habitualmente necessitam de um tratamento de 12 dias, podem ser aliviadas através da prática de yoga num espaço de quatro dias, conclui um estudo levado a cabo pela University of York (UY), no Reino Unido.
Versão para impressão
As dores de costas crónicas que habitualmente necessitam de um tratamento de 12 dias, podem ser aliviadas através da prática de yoga num espaço de quatro dias, refere um estudo levado a cabo pela University of York (UY), no Reino Unido.
 
Em comunicado, a UY revela que a investigação consistiu na avaliação dos efeitos de um programa especial de intervenção de yoga com pacientes de dor crónica de costas. 
 
Ao longo de 12 semanas, os investigadores dividiram 313 pessoas em dois grupos: um deles foi integrado no programa de yoga, intitulado “Yoga for Healthy Lower Backs”, e o outro continuou com o tratamento autónomo convencional, “General Practitioner” (GP).
 
O GP baseia-se em sessões de fisioterapia e prescrição de comprimidos capazes de aliviar as dores. O conjunto de pessoas do programa de yoga passou por aulas com 12 professores diferentes, durante as 12 semanas da ação.
 
Segundo Alison Trewhela, uma das docentes, a modalidade oferece melhorias a longo-prazo e pode ter “impactos positivos não só a nível físico, mas também a nível psicológico e social”.
 
Após o período de testes, os investigadores verificaram que o grupo de pessoas submetidas ao programa de yoga demonstrou ter reduzido as dores de costas em apenas quatro dias, ao contrário do outro grupo que demorou cerca de 12 dias a evidenciar algum alívio dos sintomas.
 
De acordo com os autores do estudo, é bastante satisfatório “o yoga ajudar as pessoas com as dores e ser, também, rentável, ao resultar em menos dias de doença para os pacientes”.
 
Perante os resultados, o yoga pode vir a ser aliado ao GP, dando origem a um único tratamento com elevada eficácia, afirmam os investigadores. Em casos menos graves, esta pode, até mesmo, ser a terapia primária, uma vez que permite aos pacientes um tratamento que podem fazer sozinhos, tornando o dia-a-dia menos doloroso.
 
O estudo foi desenvolvido por investigadores do Departamento de Ciências da Saúde da University of York, com a colaboração do Centre for Health Economics e do Hull York Medical School. O financiamento ficou a cargo do Arthritis Research UK.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês) publicado na revista científica Spine.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório