Em Destaque Sociedade

Voluntários abdicam dos seus empregos e salários para partir em missão

“Os voluntários sentem uma transformação interior quando regressam!”
Versão para impressão
por redação

Com idades compreendidas entre os 18 e os 50 anos, 18 pessoas deixam o seu emprego e dez pedem uma licença sem vencimento para partir este ano para países em desenvolvimento. Um total de dez desempregados decidem dedicar o seu tempo a experiências de voluntariado missionário, representando um total de 3% no universo do número de partidas.

As principais áreas de intervenção das entidades durante a sua presença em projetos de voluntariado missionário são variadas: agricultura, animação sociocultural, construção de infraestruturas, educação e formação, pastoral, saúde, dinamização comunitária, entre outras necessidades sentidas no decorrer dos projetos. Ainda assim a educação e a formação continuam a ser o principal enfoque dos voluntários, estando um total de 32% de entidades envolvidas nestes projetos. Logo a seguir, vem o trabalho pastoral e a animação sociocultural representando um total de 20 e 19% respetivamente, das entidades a trabalhar nestas áreas.

A desenvolver os seus projetos com ou para crianças, estão 21% das entidades, 20% com ou para jovens, 14% com ou para famílias, 12% com ou para mulheres e 11% com ou para idosos. À semelhança dos anos anteriores, o principal enfoque do trabalho dos voluntários e das organizações continua a ser crianças e jovens.

Quando questionados sobre as maiores marcas que os projetos, os países e a vivência em missões de voluntariado, deixam nas pessoas que partem, 31 entidades apontam a aprendizagem de novas formas de ser/estar, 22 a maior sensibilização para a interculturalidade e 21 o desejo de continuação de apoio aos projetos a partir de Portugal, 10 a maior valorização dos recursos naturais. De referir também, que as organizações afirmam que muitos voluntários, após o termo dos projetos, sentem o desejo de regressar ao país de missão para trabalhar numa empresa, ONGD ou associação (11%).

Mais de 1000 voluntários missionários em Portugal

Este ano, são cerca de 1014 jovens e adultos os que realizam ao longo de todo o ano atividades de voluntariado missionário em Portugal, com uma duração que pode ir desde uma vez por dia, uma vez por semana, uma vez por mês, uma semana por ano, e outras, mas com uma regularidade assegurada.

Este trabalho é desenvolvido em todas as regiões do país, tendo uma incidência maior em Lisboa e Vale do Tejo com um total de 281 voluntários. Seguem-se as Beiras (Alta e Baixa) com um total de 160 voluntários, a região do Douro Litoral com um total de 151 voluntários, a Beira Litoral com 137 voluntários, e o Minho com 89 voluntários em ação.

A maior parte dos voluntários desenvolve atividades de animação sociocultural e de trabalho na área da educação e na área da pastoral, num total de 42% de ação nestes campos. 48% das entidades têm como enfoque do seu trabalho com crianças e jovens e 18% tem especial atenção à população mais idosa. 11% dedicam-se ao trabalho com ou para famílias. Na maioria das vezes, a mesma entidade trabalha em várias áreas em simultâneo respondendo às necessidades de diversas populações-alvo.

Estes dados resultam de um inquérito feito a 61 Entidades com diferentes estatutos que integram a Rede de Voluntariado Missionário coordenada pela FEC, nomeadamente ONGD, IPSS, Associações Juvenis, Congregações Religiosas, Paróquias, Dioceses, Fundações e grupos informais de jovens e adultos. Das 61 entidades responderam 39 (mais duas do que no ano anterior) sendo que das 39 organizações, 32 enviam voluntários em missão (mais cinco do que em 2016).

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório