Fitness & Bem-estar

Viagem ao séc. XIX no Chalet da Condessa d’Edla

O cenário romântico construído por D. Fernando II e pela condessa de d'Edla, reabriu. Entre o verde luxuriante do Parque da Pena, o Chalet da Condessa d'Edla está de volta com o brilho intenso de outros tempos.
Versão para impressão
Entre o verde luxuriante do Parque da Pena, o Chalet da Condessa d'Edla está de volta com o brilho de outros tempos. O cenário romântico construído por D. Fernando II e pela sua segunda mulher, a condessa de d’Edla, reabriu, em Abril, (quase) completamente recuperado.

por Patrícia Maia


Estão de volta as cores originais das paredes pintadas com padrões minuciosos, os tetos e as paredes trabalhadas em estuque, as madeiras rendilhadas dos vãos das escadas. Com base em fotografias e vestígios encontrados no local, a equipa de restauro fez questão “de manter exatamente a traça original” da casa, explicou ao Boas Notícias, no dia da reabertura, José Maria Lobo de Carvalho, arquiteto responsável por coordenar a recuperação do Chalet. 

Image and video hosting by TinyPicDesta construção romântica destaca-se, sobretudo, a presença predominante da cortiça. O arquiteto explica que a extensa utilização deste material revela a sensibilidade de “D. Fernando II que, apesar da sua origem alemã, chegou a Portugal e soube reconhecer o valor a cultura portuguesa”.
 

“Embora o chalet seja um conceito alpino, D. Fernando II fez uma combinação inteligente, recorrendo a muitos materiais portugueses como a cortiça”, explica o arquiteto. José Maria Lobo de Carvalho acredita que o casal “se terá inspirado no Convento dos Capuchos onde a cortiça foi usada com fins decorativos” embora tenha ido mais longe “aplicando-a como revestimento”. 

 
Recuperação põe fim a décadas de abandono 

O Chalet e o Jardim, localizados na zona ocidental do Parque da Pena, foram construídos pelo rei consorte, já depois da morte da sua primeira esposa, a rainha D. Maria II. Em 1869, ano em que casou com a a cantora de ópera Elise Hensler (mais tarde Condessa d’Edla), o refúgio já estava concluído.

Depois da morte da condessa, em 1929, o Chalet passou para as mãos do Estado e esteve, durante décadas, votado ao abandono. O cenário piorou em 1999, quando um incêndio transformou o chalet numa autêntica ruína com apenas algumas paredes exteriores. Em 2007, a Parques de Sintra iniciou a recuperação do jardim e do edifício apoiada pelo fundo EEA-Grants.
 

Image and video hosting by TinyPic


A primeira inauguração do espaço restaurado foi em 2011 mas, nessa altura, apenas as paredes exteriores e a Sala das Heras estavam recuperadas. Agora, o chalet está praticamente concluído faltando apenas reconstruir, numa terceira fase, os painéis de cortiça que revestiam as paredes e os tetos da Casa de Jantar e do Quarto de vestir do Rei D. Fernando, e o pavimento decorativo de uma das entradas, do qual subsistiram fragmentos.

Um jardim com plantas de todo o mundo

 
O jardim com cerca de um hectare e meio que envolve o chalet, marcado pela presença carismática de grandes rochedos, é parte fundamental do refúgio construído pelo casal. Muito interessados pela botânica, D. Fernando II e a condessa levaram para Sintra espécies de todo o mundo.

“Aqui à volta temos aquilo a que se pode chamar um jardim botânico, romântico, que é o resultado de  uma paixão muito grande pela natureza”, explica o arquiteto. Os caminhos e bancos deste cenário botânico foram cuidadosamente planeados de forma a permitir observar vistas para o Palácio da Pena, o Chalet e o Castelo dos Mouros. 

Image and video hosting by TinyPic

Uma exposição com objetos e mobiliário da época

Para além da recuperação das salas de cortiça, a Parques de Sintra pretende levar a recuperação do chalet mais longe, estando prevista, para breve, a inauguração de uma mostra com conteúdos sobre o restauro e uma exposição com mobiliário e alguns objetos da condessa de forma a oferecer uma interpretação histórica mais completa do espaço.

Nessa altura, será possível reviver, de uma forma ainda mais autêntica, o universo artístico e cultural partilhado por D. Fernando II e pela condessa, que foram mecenas de vários artistas portugueses, entre eles o mestre Columbano Bordalo Pinheiro e o pianista Viana da Mota. 

Clique AQUI para ver uma galeria com fotos e AQUI para visitar o micro site do Chalet da Condessa d'Edla com informação sobre horários de visita e os preços dos bilhetes.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub