Saúde

UMinho: Novo modelo para atenuar dor pós-cirúrgica

Patrícia Pinto, investigadora da Universidade do Minho, criou um modelo eficaz e económico para intervir junto das mulheres submetidas à remoção cirúrgica do útero. A criação é capaz de atenuar as habituais situações extremas de dor pós-cirúrgica.
Versão para impressão
Patrícia Pinto, investigadora da Universidade do Minho, criou um modelo eficaz e económico para intervir junto das mulheres submetidas à remoção cirúrgica do útero. A criação é capaz de atenuar as habituais situações extremas de dor pós-cirúrgica.

Perante o facto de existirem muitas mulheres jovens com grandes probabilidades de sofrer dor aguda após a cirurgia, a Universidade do Minho levou a cabo uma investigação com mais de duzentas mulheres submetidas a histerectomia, operação de remoção do útero.

Através das análises, a investigadora Patrícia Pinto conseguiu criar um modelo prático que visa identificar as mulheres em risco de desenvolver níveis mais elevados de dor aguda, ajudando-as, assim, a recorrer a estratégias de intervenção personalizadas.

O estudo “A catastrofização da for como variável mediadora entre a ansiedade pré-cirúrgica e a dor aguda pós-cirúrgica após a histerectomia”, avaliou as mulheres 24 horas antes e 48 horas depois da operação.

Em comunicado enviado ao Boas Notícias, Patrícia explicou que avaliar a influência de fatores demográficos, clínicos e psicológicos na intensidade da dor pós-cirúrgica permite “evitar o sofrimento, associado ao risco de morbilidade e mortalidade, o tempo de internamento hospitalar e os custos inerentes aos cuidados clínicos”.

O estudo é o primeiro trabalho no mundo a demonstrar este mecanismo de influência na dor pós-cirúrgica. A investigadora, que aborda o fenómeno há sete anos, revela que os resultados adquirem extrema relevância na medida em que complementam e clarificam resultados de outros estudos internacionais que incidem na relação entre a ansiedade e a dor.

Patrícia Pinto, da Escola de Ciências da Saúde e do Laboratório Associado ICVS/3B’s da UMinho, desenvolveu o estudo com Armando Almeida, da Universidade do Minho, Teresa Mclntyre, da Universidade de Houston, Estados Unidos, e Vera Araújo-Soares, da Universidade de Newcastle, Reino Unido.

Os resultados da investigação foram recentemente publicados na revista norte-americana Pain, sendo que o projeto recebeu, ainda, uma menção honrosa da Fundação Grunenthal.

Clique AQUI para aceder ao estudo (apenas disponível mediante subscrição da publicação científica).

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório