Saúde

UMinho cria tecido que minimiza lesões no menisco

Investigadores da Universidade do Minho desenvolveram um tecido capaz de substituir as zonas mais afetadas pelas lesões do menisco. A situação que afeta vários atletas de alta competição pode, agora, ter uma solução mais eficaz.
Versão para impressão
Investigadores da Universidade do Minho desenvolveram um tecido capaz de substituir as zonas mais afetadas pelas lesões do menisco. A situação que afeta vários atletas de alta competição pode, agora, ter uma solução mais eficaz.

Segundo informações disponibilizadas pela Universidade do Minho, a investigação procurou encontrar um tecido que conseguisse repor as partes afetadas no menisco, devolvendo ao atleta a estabilidade necessária para uma boa performance biomecânica.

O organismo desenvolvido já foi testado em pequenos animais e células humanas, devendo, agora, prosseguir para experiências em animais de grande porte.

Em caso de sucesso, seguir-se-ão os ensaios clínicos que poderão dar origem a um tratamento menos doloroso e mais rápido, ao contrário das habituais intervenções cirúrgicas. A longo prazo, os tratamentos convencionais podem gerar o desgaste articular e a artrose precoce, problemas que esta nova solução pretende minimizar.

Segundo os cientistas, atualmente, cerca de 30% das reparações e transplantes de menisco são mal sucedidas, podendo desencadear o fim da carreira dos atletas de alta competição. Perante estes dados, as investigações recentes têm-se dedicado ao estudo de tecidos e medicina regenerativa.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub