Ciência

UCoimbra desenvolve medronheiros mais produtivos

Investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) em parceria com a Escola Superior Agrária de Coimbra, desenvolveram, através do processo de clonagem, medronheiros mais produtivos, com frutos de qualidade e resi
Versão para impressão
Investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) em parceria com a Escola Superior Agrária de Coimbra, desenvolveram, através do processo de clonagem, medronheiros mais produtivos, com frutos de qualidade e resistência superior, conforme noticia a Lusa.

A investigação desenvolvida ao longo dos últimos cinco anos pelo especialista em biotecnologia vegetal Jorge Canhoto e Filomena Gomes centrou-se na melhoria do comportamento vegetal do medronheiro, “uma planta com grande potencial económico e ambiental, mas ainda pouco estudada” e pouco aproveitada em território nacional.

De acordo com os responsáveis o objetivo é “fornecer aos produtores plantas de qualidade para serem exploradas em termos agrícolas, industriais e mesmo medicinais.”

O projeto iniciou-se com a seleção das plantas “boas produtoras” de frutos, junto dos proprietários, em colaboração com a Direção Regional de Agricultura do Centro a associações de produtores florestais.

Foram também recolhidas amostras do Minho ao Algarve para avaliar a diversidade de espécies de medronheiros existentes em Portugal. Foram depois selecionadas um conjunto de “árvores de elite”, explicou.

O trabalho laboratorial incidiu, depois, na caraterização molecular das plantas – “espécie de impressão digital” -, a partir da qual são desenvolvidas as metodologias de clonagem.

Atualmente, a investigação investe na “otimização” desse processo de transferência, estando a ser utilizada uma técnica, denominada “micorrização”, que consiste em associar às plantas um conjunto de fungos “necessários a que cresçam mais e produzam melhor”, disse Jorge Canhoto.

“Pretende-se que a adaptação às condições do solo seja mais eficaz, evitando o uso de adubos químicos e fitofármacos”, explicou.

Os medronhos têm potencialidades a vários níveis. Podem ser explorados a nível alimentar “devido ao alto teor de açúcar e os frutos podem ser utilizados para produção de compotas e geleias. Em termos farmacêuticos, os medronheiros apresentam propriedade anti-sépticas e diuréticas”.

Já a nível ambiental, o medronheiro possui “um forte impacto na proteção e reabilitação dos solos”, como os afetados por incêndios.

[Notícia sugerida pelo utilizador Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub