Fitness & Bem-estar

Telegraph destaca “fascínio” exercido pelos Açores

O jornal britânico The Telegraph destacou, a semana passada, o "fascínio" exercido pelo arquipélago dos Açores. Num artigo datado de sexta-feira, a publicação elogia "a beleza natural cativante" das ilhas açorianas.
Versão para impressão
O jornal britânico The Telegraph destacou, a semana passada, o “fascínio” exercido pelo arquipélago dos Açores. Num artigo datado de sexta-feira, a publicação elogia “a beleza natural cativante” das ilhas açorianas, bem como “as regiões charmosas que proporcionam férias abençoadas”.
 
De acordo com Paul Bray, jornalista do The Telegraph que assina a peça, “é difícil encontrar defeitos nos Açores”. “[O arquipélago] é remoto, mas acessível, amigável sem ser demasiado turístico, relaxante mas cheio de atividades e, acima de tudo, tão bonito que quase faz parar o coração”, escreve Bray.
 
Localizadas no meio do Atlântico, as ilhas portuguesas “não são apenas manchas no oceano”, assegura o autor do artigo, realçando que a maior, São Miguel, se estende ao longo de cerca de 64 quilómetros, e que a mais alta montanha, “com uma forma cónica perfeita e que se pode escalar”, o Pico, ultrapassa os 2.300 metros de altura.
 
Segundo Bray, “cada ilha tem o seu próprio charme”: São Miguel alberga a capital, a “elegante” cidade de Ponta Delgada, as piscinas termais das Furnas e a célebre Lagoa das Sete Cidades, ao passo que, por exemplo, “a pequena [ilha de] Santa Maria, mais a sul, sobressai por ter as melhores praias de areia”.
 
No grupo central, composto por cinco ilhas, o Pico é “uma terra de vinhas e muros de pedra”, ao passo que o Faial “é amado por donos de iates e por observadores de baleias”, refere o jornalista, destacando que os Açores são “um ponto de referência” no que toca à “observação de mamíferos marinhos”. 
 
Para o autor do artigo, a ilha de São Jorge “é o paraíso dos caminhantes”, com os seus penhascos e campos de lava, a Terceira é “o lar da cidade de Angra do Heroísmo, uma pérola da Renascença e Património Mundial da UNESCO”, enquanto a Graciosa, que faz jus ao nome, se cobre de “campos verdes e moinhos”. 
 
Já a ilha das Flores é, também como o nome indica, “um jardim luxuoso, com quedas de água cintilantes e hidrângeas azuis”, enquanto o “pequeno Corvo é um santuário para os observadores de aves”. 
 
A peça do The Telegraph sublinha que há alojamento “para todos os gostos”, de hotéis a moinhos transformados em albergues” e que todas as ilhas partilham “um clima agradável”, com invernos suaves, verões amenos e mares quentes durante o todo o ano, além de uma “atitude” também ela “agradável” em relação à vida.
 
“É o género de local onde completos desconhecidos conversam connosco em cafés e o taxista que nos leva vai mostrar-nos as vinhas das famílias”, ilustra Bray.
 
Ao nível da gastronomia, o autor do artigo destaca o inevitável “cozido das furnas, cozinhado lentamente com o calor geotermal” e “o marisco”, que vai “do excelente atum e polvo” às “lapas e as cracas” que despertam curiosidade de quem se arrisca a prová-las. 
 
“Nenhum local nos Açores chega a ser demasiado concorrido e nas pequenas ilhas é possível sentir-nos como se fossemos os únicos visitantes”, confessa Bray, deixando um conselho: “os destinos turísticos 'puros' estão a tornar-se cada vez mais raros; aproveitem este enquanto podem”.

Clique AQUI para aceder ao artigo publicado no The Telegraph (em inglês).


Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub