Mundo

Rolhas portuguesas salvam champanhe com 200 anos

Mais de 160 garrafas de Champanhe com cerca de 200 anos foram recuperadas com o apoio da Corticeira Amorim. Solicitada pelas autoridades finlandesas e pelos especialistas da cave francesa Veuve Clicquot, a corticeira assegurou a substituição da rolha
Versão para impressão
Mais de 160 garrafas de Champanhe com cerca de 200 anos foram recuperadas com o apoio da Corticeira Amorim. Solicitada pelas autoridades finlandesas e pelos especialistas da cave francesa Veuve Clicquot, a corticeira assegurou a substituição da rolha original por uma nova rolha de cortiça natural.

O champanhe, proveniente de um barco naufragado por volta de 1800, foi descoberto por mergulhadores no passado mês de Julho, a uma profundidade de 50 metros, junto à costa do arquipélago Aland, região autónoma da Finlândia.

Segundo um comunicado divulgado à imprensa, a equipa da corticeira procedeu à substituição das rolhas num local próximo do naufrágio, a fim de minimizar o impacto na qualidade do Champanhe.

A nova rolha de cortiça natural foi colocada numa pequena quantidade de garrafas, entretanto resgatadas, mantendo-se a maioria “imersa num local secreto”, avança a corticeira.

“A Corticeira Amorim, honrada por ter sido chamada a colaborar na recuperação deste Champanhe único, desenvolveu rapidamente uma solução, que passou pelo desenho de uma rolha de cortiça natural, em conformidade com as especificidades destas garrafas antigas”, sublinhou Ernesto Sá Pereira, responsável pela equipa técnica de Champanhe da empresa.

Segundo arqueólogos, algumas das garrafas são provenientes da Maison Juglar, que cessou a produção no final de 1820. No entanto, “dado o bom estado das rolhas”, é possível ver o símbolo de um cometa, o que permitiu identificar algumas garrafas como tendo sido produzidas pela Veuve Clicquot.

O Governo de Aland tem planos para leiloar uma parte das garrafas, prevendo-se que venham a atingir alguns dos “maiores valores registados numa garrafa individual de Champanhe”.

No dia 17 de novembro, cerca de cem apreciadores da bebida e jornalistas assistiram à abertura de duas das garrafas. Depois de retiradas as rolhas com extremo cuidado, o espumante foi servido ao presentes em taças [ver vídeo]. Apesar de apresentar poucas bolhas, o champanhe ainda conserva o seu sabor com toques de laranja, especiarias, mel e pêssego.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório