Mundo

Rins podem ser transplantados mais do que uma vez

Nos Estados Unidos, uma equipa medica conseguiu usar o mesmo rim em dois transplantes, depois do primeiro paciente revelar sintomas de uma doença que podia afetar o órgão saudável.
Versão para impressão
Nos Estados Unidos, uma equipa médica conseguiu usar o mesmo rim em dois transplantes, depois do primeiro paciente revelar sintomas de uma doença que podia afetar o órgão. Esta novidade poderá revolucionar a vida dos milhares de doentes que enfrentam longas listas de espera por um transplante.

Pela primeira vez na história da medicina, um rim que tinha sido doado a um paciente foi removido e transplantado com sucesso para outro doente que se tornou assim a terceira pessoa a receber aquele órgão. O procedimento foi efetuado no final de Abril pelo Hospital de Northwestern (EUA).

O primeiro doente que recebeu o rim sofre de uma doença chamada glomeruloesclerose segmentar e focal (GESF) que ataca o rim, causando danos na região responsável por filtrar o sangue.

Apesar do transplante, que resultou da doação da sua irmã, o jovem paciente, de 27 anos, não conseguiu ultrapassar os sintomas da GESF e o seu “novo” rim começou, em poucos dias, a ser afetado pela doença. Em 50 por cento dos doentes com GESF o transplante não resolve o problema.

Os médicos optaram então por reciclar aquele órgão de maneira a salvar a vida de uma outra pessoa. O cirurgião Lorenzo Gallon, que dirigiu a equipa responsável pelo transplante, explica em comunicado que a equipa médica discutiu os riscos da operação – incluindo o facto do rim ter estado brevemente exposto à GESF – mas optou por avançar. 

O novo dador não hesitou em autorizar a doação do próprio rim que lhe tinham transplantado. Assim, duas semana depois, o órgão foi transplantado para um médico de 67 anos, pai de cinco filhos, que estava na lista de espera nacional dos EUA.

“Este é um momento inédito porque demostra que podemos reverter os danos causados pela GESF num rim saudável e integrá-lo de novo num corpo com um sistema circulatório saudável”, diz no comunicado Joseph Leventhal, um outro médico que participou na cirurgia.

Este procedimento promete revolucionar a vida de milhares de doentes em todo o mundo que aguardam por um transplante de rim. O estudo que descreve o procedimento foi divulgado a semana passada no jornal norte-americano New England Journal of Medicine.

Clique AQUI para aceder ao comunicado do hospital.

[Notícia sugerida por Ana Guerreiro Pereira e Sofia Baptista]

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório