Mundo

Reino Unido: Cão “fareja” cancro e salva vida à dona

"Os cães não são apenas os melhores amigos dos homens. Também são os melhores amigos das mulheres. Quem precisa de diamantes?". São estas as palavras que marcam o discurso de Sharon Rawlinson, a quem a cadela ajudou a diagnosticar um cancro.
Versão para impressão
“Os cães não são apenas os melhores amigos dos homens. Também são os melhores amigos das mulheres. Quem precisa de diamantes?”. São estas as palavras que marcam o discurso de Sharon Rawlinson, uma britânica de 43 anos, depois de a seu companheira de quatro patas ter contribuído decisivamente para salvar a sua vida ao ajudá-la a detetar um cancro na mama.
 
A mulher decidiu ir ao médico após, durante vários meses, a sua cadela Penny “farejar” e tocar constantemente na área onde o tumor agressivo estava a desenvolver-se. “Ela encostava suavemente as patas ao meu peito como se estivesse a tentar arrancar de lá alguma coisa, mas eu ignorei”, contou ao jornal Daily Mail.
 
Embora a sua mãe tivesse falecido com cancro da mama há nove anos, Sharon Rawlinson nunca imaginou que essa pudesse ser a causa do comportamento do animal. Ainda assim, em Janeiro deste ano, ganhou coragem e marcou uma consulta. A decisão acabou por lhe trazer a pior notícia: o diagnóstico de cancro, ao qual se seguiu o início da quimioterapia. 
 
Segundo a britânica, depois de começar o processo de tratamento, Penny nunca mais voltou a comportar-se da mesma forma. Atualmente, Sharon Rawlinson, que está a ser tratada no Nottingham Breast Institute, no Reino Unido, está a recuperar após a remoção do tumor. 

“A Penny é o meu anjo da guarda”, diz Sharon
 

“Os próximos meses vão ser uma montanha-russa de emoções, mas com o amor e apoio da minha família e amigos vou conseguir superar a doença”, assegurou, mostrando-se otimista quanto ao futuro e, claro, mencionando também a importância da companhia de Penny.
 
“Ela é o meu anjo da guarda. Temos uma ligação desde que ela era ainda bebé, mas isto é extraordinário. Sinto que ela foi enviada para me ajudar e nunca me abandona. Se não fosse a sua persistência, não teria feito um check-up”, admitiu Sharon Rawlinson.
 
Ainda assim, a mulher, mãe de dois filhos, frisa que essa atitude “é errada” e encoraja “todos os que desconfiarem de que algo não está bem a consultar imediatamente um médico” para pôr fim a possíveis dúvidas.
 
De realçar que, o ano passado, um grupo de investigadores alemães descobriu que os cães treinados conseguem detetar tumores em cerca de 71% dos pacientes. Tal capacidade deve-se ao facto de produzirem químicos que estes animais – que têm um olfato 100.000 vezes melhor que o dos humanos – conseguem notar. 
 
Porém, há poucos casos semelhantes ao de Sharon Rawlison, em que seja um animal doméstico não treinado a fazer esta “deteção”.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub