Ciência

Progressão de Parkinson pode ser travada

Investigadores da Universidade de Coimbra, em parceria com colegas da Universidade do Kansas (EUA), analisaram a disfunção das estruturas existentes nas células de doentes de Parkinson e ficaram assim mais perto de encontrar uma terapêutica para bloq
Versão para impressão
Investigadores da Universidade de Coimbra, em parceria com colegas da Universidade do Kansas (EUA), analisaram a disfunção das estruturas existentes nas células de doentes de Parkinson e ficaram assim mais perto de encontrar uma terapêutica para bloquear a progressão da doença.

A investigação realizou-se no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e permitiu identificar o taxol – um posto usado em doses elevadas na quimioterapia – como agente de prevenção na progressão da doença de Parkinson.

Segundo mostram os resultados do estudo coordenado por Sandra Cardoso (na foto), o composto ajuda a combater a acumulação de agregados tóxicos de proteínas em células cujas estruturas de produção de energia (mitocôndrias) estejam degradadas.

Com estes resultados, publicados nos jornais internacionais CNS & Neurological Disorders – Drug Targets, Frontiers in Aging Neuroscience e Neurobiology of Disease, prevê-se que haja maiores possibilidades de desenvolver novos agentes terapêuticos.

Em comunicado, a Universidade de Coimbra anuncia que “em breve, a equipa do CNC irá usar o taxol em modelos animais da doença de Parkinson para avaliar a sua eficácia no bloqueio da progressão da doença”.

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório