Saúde

Prémios Pfizer: Três projetos de oncologia premiados

NULL
Versão para impressão
A edição deste ano dos Prémios Pfizer distinguiu três projetos portugueses na área da oncologia, dois baseados em Investigação Básica e um terceiro em Investigação clínica. A entrega dos prémios ocorreu no passado dia 17 de Novembro, e assinalou o aniversário dos 55 anos dos prémios criados para distinguir trabalhos desenvolvidos total ou parcialmente em instituições portuguesas.

Na Investigação Básica, os investigadores Sérgio Fernandes Almeida e Maria Carmo-Fonseca, do Instituto de Medicina Molecular, desenvolveram um estudo sobre as mutações genéticas que podem estar na origem de várias doenças, “sendo o cancro uma das que tem concentrado maior atenção por parte dos investigadores”, lê-se no comunicado divulgado pelos Prémios Pfizer.

Elsa Logarinho e Helder Maiato do Instituto de Biologia Molecular e celular da Universidade do Porto dedicaram-se mais ao estudo de uma terapêutica para a doença. “Na divisão celular, a fidelidade da distribuição do material genético pelas duas células filhas depende da formação de uma estrutura bipolar – o fuso mitótico. Neste trabalho identificámos um novo mecanismo molecular necessário à estabilidade do fuso mitótico que envolve um tipo de proteínas designadas CLASPs”, informa o documento.

“A perturbação funcional destas moléculas conduz à formação de fusos anormais multipolares que resultam numa distribuição desigual do material genético, situação que compromete a viabilidade das células filhas. Este mecanismo pode vir a ser explorado na terapia do cancro que se caracteriza pela divisão descontrolada das células”, acrescenta.

Mutações da leucemia linfoblástica

Na área da Investigação Clínica, o investigador João Barata, do Instituto de Medicina Molecular, foi distinguido com o trabalho que identificou mutações que podem estar na origem da leucemia linfoblástica, um tumor que afeta sobretudo crianças.

“A minha investigação permitiu descobrir que as células cancerígenas de alguns doentes pediátricos com leucemia T contêm o recetor mutado, e que a mutação do recetor faz com que este deixe de necessitar da informação exterior, isto é, da ligação da interleucina 7, para promover a multiplicação celular. Como resultado, as células T multiplicam-se descontroladamente, originando um tumor”, escreve o press release dos prémios.

Além disso, identificou um conjunto de fármacos que podem ser eficazes “na eliminação do efeito das mutações, levando à morte das células que as possuem”.

Na sessão de entrega dos prémios esteve presente o Ministro da Saúde, Paulo Macedo. Este ano concorreram 93 projetos, 54 dos trabalhos integram a categoria de Investigação Básica e 39 a área de Investigação Clínica, tendo sido o número mais elevado de sempre. Os prémios foram criados em 1955 pelo Presidente da Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa, Manuel João Xavier Morato.

Os vencedores recebem um prémio no valor de 20.000 euros.

[Notícia sugerida por Ana Guerreiro Pereira] 

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub