Ciência

Portugueses criam semiconductores em papel

NULL
Versão para impressão
Investigadores da Universidade de Nova de Lisboa descobriram uma forma de fabricar semiconductores eletrónicos em papel. O sistema há muito que vinha a ser estudado pela equipa que, em 2010, descobriu como criar transístores e baterias de papel.

Elvira Fortunato é professora da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa e líder de um projeto pioneiro em todo o mundo. Depois de ter descoberto como criar transístores de papel, a portuguesa volta a dar cartas com um novo avanço muito importante.

Esta semana, a revista científica internacional Advanced Materials publicou um artigo assinado por estes investigadores e pelo grupo do Centro de Nanotecnologia da University College London que explicam como se pode fabricar CMOS  (complementary metal-oxide-semiconductor) a partir de papel reciclável e com um baixo consumo energético.

O CMOS é uma tecnologia aplicada no fabrico de circuitos integrados, que reduz bastante o consumo de energia. Em abril, Rodrigo Martins, colega de Elvira Fortunato, garantia que a equipa já estava a trabalhar nesta pesquisa.

Até agora, a equipa de investigadores portugueses não possuía a fórmula decisiva para dar corpo às descobertas anteriores, uma barreira agora ultrapassada.

Os circuitos CMOS são normalmente utilizados em microprocessadores, microcontroladores, memórias RAM. São também largamente utilizados em calculadoras, relógios digitais e outros dispositivos alimentados por pequenas baterias

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo publicado na Advanced Materials.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório