Saúde

Portuguesa quer usar abelhas para detetar cancro

A designer portuguesa Susana Soares desenhou um dispositivo de vidro que poderá vir a ser usado para detetar cancro no hálito das pessoas.
Versão para impressão
Baseando-se numa investigação que está a ser desenvolvida pela empresa britânica Inscentinel, especializada na utilização de abelhas para detetar explosivos e doenças, a designer portuguesa Susana Soares desenhou um dispositivo de vidro que poderá vir a ser usado para detetar cancro no hálito das pessoas.
 
Além dos cães e dos ratos, parece que também as abelhas têm um sentido olfativo tão apurado que são capazes de detetar, por exemplo, a presença de explosivos. Estes pequenos insetos já foram testados, com sucesso, na deteção de bombas no aeroporto de Heathrow, em Londres. 

Mas o próximo objetivo da empresa Inscentinel é começar a utilizar as abelhas para detetar, através do hálito ou da urina, doenças como a tuberculose e o cancro, quando ainda se encontram numa fase inicial de desenvolvimento e são mais fáceis de serem tratadas. A empresa está a desenvolver a investigação em colaboração com o New Zealand Institute for Plant and Food Research.

Embora a investigação ainda não esteja concluída, a designer portuguesa Susana Soares contou com a colaboração da Inscentinel para desenvolver um dispositivo de vidro que poderá ser usado para fazer o diagnóstico de certas doenças no hálito dos pacientes.

Bio marcadores de doenças como a tuberculose, alguns tipos de cancro e a diabetes estão presentes no hálito humano pelo que, graças ao seu sofisticado poder olfativo, as abelhas poderão detetar a sua presença, explica a designer portuguesa no seu site oficial. 

O dispositivo consiste num objeto de vidro cilíndrico que contém uma pequena abertura para onde o paciente deve soprar. O sopro ficará depois retido num pequeno contentor, também de vidro, que está dentro do cilindro maior. À partida, e se for confirmada a competência das abelhas na deteção destes bio marcadores, se os insetos detetarem a presença de doenças, irão deslocar-se, em massa, para o pequeno contentor onde o hálito ficou retido. 

Ainda segundo o site da designer (que neste projeto foi apoiada, entre outras entidades, pela Fundação Calouste Gulbenkian), as abelhas estão a ser treinadas para a deteção de doenças recorrendo à técnica de Pavlov. Ou seja, os investigadores dão-lhes uma pequena recompensa (uma dose de açúcar) de cada vez que detetam, com sucesso, estes bio marcadores. As abelhas passam assim a associar estes odores a uma recompensa de comida.

Clique AQUI para aceder ao site de Susana Soares.

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub