Cultura

Português nomeado cavaleiro pelo governo francês

Um professor e investigador da Universidade do Algarve vai ser condecorado com o título de Chevalier de l'Ordre des Arts et des Lettres. A mesma comenda já foi concedida a nomes como Clint Eastwood, Bob Dylan e T.S. Eliot.
Versão para impressão
Manuel Célio Conceição, professor e investigador da Universidade do Algarve, vai ser condecorado com o título de Chevalier de l'Ordre des Arts et des Lettres, pelo Ministério da Cultura e Comunicação de França. A mesma comenda já foi concedida a nomes como Clint Eastwood, Bob Dylan e T.S. Eliot.
 
A atribuição do grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras visa distinguir aqueles que se distinguem pelas suas criações no domínio artístico ou literário e pela sua contribuição ao desenvolvimento das artes e das letras, não só na França como em todo o Mundo.

De acordo com o comunicado da universidade, o português sente-se muito honrado com a notícia desta distinção, que diz representar “um incentivo e uma motivação acrescida para continuar a trabalhar neste quadro de globalização, de necessária afirmação cultural e mútuo respeito”.
 
O professor da Universidade do Algarve na área de Línguas e Literaturas orgulha-se, particularmente, pelo destaque que lhe é dado ser no país onde fez parte da sua formação e com o qual mantém relações afetivas e académicas muito fortes.
 
“Creio que esta condecoração se deve ao meu trabalho em prol do respeito e da promoção pela diversidade cultural e linguística que, sem falsas modéstias, nunca pensei que pudesse vir a ser reconhecido a tão alto nível”, diz.
 
Nos últimos dez anos, Manuel Célio Conceição (na foto acima) tem participado em vários projetos nacionais e internacionais de docência, de extensão e de investigação relativos à definição e promoção de políticas de línguas que promovam a diversidade e a verbalização própria das culturas.
 
“No atual contexto de mundialização/globalização em que estamos não se pode anular diferenças culturais e linguísticas. Elas representam a essência das diferentes comunidades e nem o pretexto da resolução da crise pode justificar a aculturação imposta pela redução de uma língua com estatuto próximo ao de “língua franca”, defende o professor.
 
Manuel Célio Conceição é doutorado pela Universidade Nova de Lisboa. Atualmente dirige o 3º ciclo de Ciências da Linguagem na Universidade do Algarve e integra o Conselho Científico desde 2010. 
 
É ainda membro da direção do European Council for Languages/Conseil Européen pour les Langues, da Comissão Científica da Rede Panlatina de Terminologia – REALITER. 

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub