Ciência

Portugal um dos melhores na sobrevivência ao cancro

De acordo com a última edição do estudo EUROCARE, Portugal está acima da média na sobrevivência aos cancros da mama, do colorretal e da próstata.
Versão para impressão
De acordo com a última edição do estudo EUROCARE, Portugal está acima da média na sobrevivência aos cancros da mama, do colorretal e da próstata. Os resultados mostram que os países nórdicos, da Europa Central e da Europa do Sul apresentam a maior taxa de sobrevivência.

A quinta edição do estudo EUROCARE, a maior investigação sobre a sobrevivência de cancro com base na população europeia, revela que os valores de sobrevivência estão a melhorar. 

 
O estudo, que abrangeu mais de 50% dos adultos e 77% da população infantil da Europa, concluiu que os valores variam muito entre os países europeus. O EUROCARE-5, analisou 29 países para comparar a sobrevivência em cinco anos a partir do diagnóstico para mais de 9 milhões de adultos e cerca de 60 415 crianças entre 2000 e 2007. 
 
Os resultados, publicados na revista “The Lancet Oncology”, mostram que os países nórdicos, da Europa Central e da Europa do Sul apresentam a maior taxa de sobrevivência ao cancro. Os melhores resultados dos países da Europa do Sul são os de Portugal, Espanha e Itália, para a maioria dos cancros.

No caso português, é na sobrevivência ao cancro do estômago que se verifica a melhor posição. Portugal aparece com uma taxa de 31%, quando a média ronda os 2%. Valores que correspondem ao terceiro melhor resultado.

Na sobrevivência ao cancro da próstata os portugueses ocupam a quinta posição e estão acima da média no cancro da mama e no colorretal. Os piores resultados são os do cancro do pulmão, em que o país ocupa a 19ª posição. 


Número de adultos que sobrevivem tem aumentado
 
Os países com a menor taxa de sobrevivência ao cancro localizam-se na Europa Oriental, caso da Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia e Eslováquia. Aqui, os valores encontram-se abaixo da média europeia. 
 
Segundo Roberta De Angelis, coordenadora do estudo, a boa notícia é que “o número de adultos que sobrevivem ao cancro por pelo menos durante cinco anos após realizado o diagnóstico tem aumentado de forma constante na maior parte das regiões da Europa”.

A investigadora afirma que os resultados se devem aos grandes avanços feitos na gestão da doença, tais como nos programas de rastreio do cancro. 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub