Em Destaque Negócios e Empreendorismo

PME são as instituições em que os portugueses mais confiam

Os órgãos de comunicação social têm, igualmente, valores que demonstram confiança por parte dos inquiridos portugueses
Versão para impressão
por redação

As Pequenas e Médias Empresas (PME) são as instituições em que os portugueses mais confiam, com 65% de opiniões favoráveis. De acordo com o Observador Cetelem Consumo 2017, os Órgãos de Comunicação Social têm, igualmente, valores que demonstram confiança por parte dos inquiridos portugueses, com 47% de menções, número similar ao registado pelas grandes instituições internacionais, como a ONU ou o FMI.

Os consumidores portugueses consideram as PME as instituições mais confiáveis, com 65% de respostas positivas. Esta é uma tendência generalizada entre os 15 países europeus inquiridos pelo estudo do Observador Cetelem Consumo 2017, sendo que a média europeia é de 63%. Os austríacos e os dinamarqueses são os países que mais confiam nas PME (75%). Os húngaros são os mais reservas levantam, com apenas 43% dos inquiridos a manifestar a sua confiança nas pequenas e médias empresas.

Também os meios de comunicação tradicionais são merecedores de confiança para os consumidores portugueses. Somos, aliás, um dos países com melhores resultados (47%), apenas ultrapassados pelos dinamarqueses, com 61%, e os búlgaros, 48%. A média global europeia é de 40%. No caso de outros media na Internet, 43% dos portugueses inquiridos asseguram confiar nas informações de blogues ou fóruns, mais uma vez acima da média europeia (40%). Já as redes sociais merecem maior desconfiança e a sua aceitação não ultrapassa os 32%, apenas mais 1 ponto percentual que a média do estudo.

Os números do Observador Cetelem revelam ainda confiança nas grandes instituições (como a ONU e FMI). Neste caso, os portugueses encontram-se entre aqueles que mais acreditam nesses organismos, com 47% de confiança (média global de 40%, com maior incidência na Dinamarca, 55%, e Reino Unido, 49%). Portugal revela, ainda, um índice de confiança superior ao de outros países quando são as instituições europeias que estão em causa, com 36% – mais 4 pontos percentuais que a média. Os inquiridos búlgaros são os mais confiantes, com 45%, seguidos dos dinamarqueses, com 43%. Os checos encontram-se no polo oposto, com 19%.

No caso português, a confiança nas grandes empresas não vai além dos 36%, enquanto bancos, seguradoras e financeiras merecem a confiança de apenas 20% dos inquiridos. Refira-se que esta é uma tendência europeia. A mencionar, igualmentem, que apenas 27% dos portugueses inquiridos assumem confiar na Justiça do nosso país, um valor abaixo da média entre os 15 países inquiridos, que é de 32%, enquanto as marcas se encontram entre as mais confiáveis, 49%, um dos resultados mais elevados no que concerne aos 15 países alvo deste estudo – e 3% acima da média global.

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório