Saúde

Ouvir Mozart faz bem ao coração

Ouvir Mozart é tão eficaz na redução da pressão arterial como praticar exercício físico ou reduzir o consumo de sal. As conclusões vêm da Universidade de Ruhr, na Alemanha, que colocou 60 voluntários a escutar diferentes tipos de música.
Versão para impressão
Ouvir Mozart é tão eficaz na redução da pressão arterial como praticar exercício físico ou reduzir o consumo de sal.  As conclusões vêm da Universidade de Ruhr, na Alemanha, que analisou o efeitos de diferentes tipos de música em 60 voluntários.

Depois de ouvirem as composições de Mozart (Sinfonia nº 40 em G menor), a pressão sistólica (a pressão nos vasos sanguíneos quando o coração bate) desceu 4,7 mm/Hg. Ouvir as danças de Johann Strauss também produziu efeitos, mas menos acentuados (a descida foi de 3,7 mm/Hg).

Escutar Abba, por sua vez, fez pouca ou nenhuma diferença na pressão arterial dos voluntários – os investigadores justificam os resultados pouco impactantes com a possível interferência de fatores emocionais e a utilização de letras, que podem ter um impacto negativo.

Mozart e Strauss também tiveram efeitos positivos na pressão diastólica: 2,1 mm/Hg e 2,9 mm/Hg, respetivamente. A pressão diastólica, ou a pressão arterial mínima, corresponde ao momento em que o ventrículo esquerdo volta a encher para retomar o processo da circulação.

Estes resultados são interessantes porque são semelhantes aos obtidos em exercícios como ciclismo, corrida ou marcha. Reduzir o sal em seis gramas diárias ajuda a diminuir a pressão arterial entre 7 a 4 mm/Hg.

"Há séculos que se conhece o efeito da música nos comportamentos humanos. Na antiguidade a música era usada para melhorar a performance dos atletas dos Jogos Olímpicos", explica Hans-Joachim Trappe, autor principal do estudo, citado no The Telegraph.

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório