Mundo

Olímpicos: Milionário russo salvou 150 cães da morte

Oleg Deripaska, um dos homens mais ricos da Rússia, decidiu financiar um novo abrigo para cães depois de ter vindo a público, a semana passada, que o governo de Sochi pretendia levar a cabo um abate em massa de 2.000 animais de rua.
Versão para impressão
Oleg Deripaska, um dos homens mais ricos da Rússia, decidiu financiar um novo abrigo para cães depois de ter vindo a público, a semana passada, que o governo de Sochi, cidade que está a acolher os Jogos Olímpicos de Inverno – envoltos desde o início em grande polémica – pretendia levar a cabo um abate em massa de 2.000 animais de rua para evitar que estes ensombrassem a competição.
 
De acordo com as agências noticiosas internacionais, a cidade de Sochi tinha acabado por abdicar da ideia inicial de se “desfazer” silenciosamente, recorrendo ao trabalho de uma empresa privada, de mais de dois milhares de cães e gatos que deambulavam pelo Parque Olímpico durante a sua construção, alimentados e acarinhados pelos trabalhadores.
 
Quando a construção terminou, porém, e em sequência do ensaio da abertura dos Jogos durante o qual um cão entrou no recinto, as autoridades locais recuaram, afirmando que os animais se tornaram “pestes abandonadas” e que o seu abate era essencial para “salvaguardar os desportistas”, avançando com a medida.
 
A notícia espalhou-se rapidamente por todo o mundo e gerou várias campanhas promovidas por defensores dos direitos dos animais (e até figuras públicas como a cantora Cher), o que levou o milionário Oleg Deripaska a intervir, reunindo uma equipa de voluntários de uma instituição para resgatar da sua o maior número possível de animais das ruas de Sochi. 
 
Deripaska financiou a construção de emergência de um novo abrigo na cidade e, graças à intervenção rápida, cerca de 150 cães foram salvos da morte e colocados em segurança. O abate de muitos animais não pôde ser evitado, mas, até ao momento, um número significativo dos que foram retirados da rua têm já, inclusive, novas casas e famílias.
 
Em entrevista à BBC, o milionário explicou a decisão, afirmando que o caso lhe relembrou um exemplo muito próximo. “Encontrei o meu primeiro cão nas ruas da minha aldeia, a pequena aldeia [onde cresci]. Foi um grande amigo durante quase cinco anos”, confessou, justificando, assim, o desejo de proteger estes animais.

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub