Fitness & Bem-estar

Oficina da Psicologia: Ressuscitar rios

Rajendra Singh faz nascer rios. Não faz magias - nem brancas nem negras - não tem poderes de super-herói, nem sabia mais do que nós os dois quando começou. Quando lhe disseram que era de água de que necessitavam, ele agarrou numa enxada...
Versão para impressão
Rajendra Singh faz nascer rios. Não faz magias – nem brancas nem negras – não tem poderes de super-herói, nem sabia mais do que nós os dois quando começou. Quando lhe disseram que era de água de que necessitavam, ele agarrou numa enxada, dispôs-se a trabalhar várias horas por dia, vários – muitos – dias, e a escutar outros mais sabedores que pudessem ter um contributo.

[Por Madalena Lobo, Psicóloga Clínica]


Image and video hosting by TinyPic

Quem o acompanhava nem considerou a possibilidade: que não tinham preparação, que não sabiam como, que nunca o tinham feito, que não era possível numa região tão árida que até o deserto invejava. Quando ele começou a tentar, havia rios que já tinham desistido, engolidos por secas constantes e pelo abandono das tradições milenares. E Rajendra Singh ressuscitou-os.

Das litanias persistentes que me rodeiam ultimamente, há uma que tem o condão de me exasperar: “não sei, não consigo, isso é difícil”. Escuto-a por palavras, ou nos ombros descaídos de quem desistiu de tentar; vejo-a na descrença de um olhar que já não sonha; sinto-a no menosprezo das sugestões que são dadas e na pacatez de quem opta pelo mero calcorrear de terrenos conhecidos; reconheço-a em clientes, em colegas e nas mais variadas pessoas com quem me cruzo no dia-a-dia, e mesmo nas que desconheço e de quem leio publicações.

E porque é que me exaspera? Bem, pelo desperdício das possibilidades humanas. Porque tentar apenas exige predisposição e esforço – nada mais! E não tentar é garantia segura de não se conseguir, pelo que a racionalidade de tentarmos obter algo, com total independência da nossa experiência prévia, auto-percepção de capacidades ou expectativas em relação a um possível sucesso, se encontra sempre justificada no jogo das probabilidades.

Todos temos em nós recursos e potencialidades que apenas requerem ser usados – não os teremos iguais, naturalmente, porque somos únicos, cada qual à sua maneira. Mas, ainda assim, cada um de nós transporta dentro de si o potencial de realização de algo ou vários algos, mais ou menos grandiosos, mais ou menos inovadores, e que, quando libertado e vivido, tem o bónus acrescido de um bem-estar especial que apenas se consegue quando se está a viver em pleno. Basta teimosia e trabalho duro. E acreditar que lá chegaremos.

Deite fora os seus “não sei, não consigo, isso é difícil”. Recicle-os, talvez, que sempre é moda e útil. Rajendra Singh faz nascer rios. Porque não hei-de eu também fazer aquilo em que acredito e que entendo por bem fazer? Porque não há-de o meu caro leitor fazer nascer os seus próprios rios?

Image and video hosting by TinyPic
[Madalena Lobo é Diretora Geral da Oficina de Psicologia. Para saber mais sobre este projeto visite www.oficinadepsicologia.com ou http://www.facebook.com/oficinadepsicologia]

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório