Fitness & Bem-estar

O que fazem 10 desconhecidos à volta de uma mesa?

Se uma noite, ao passear por Alfama, encontrar uma mesa posta para 10 pessoas, não se admire. Trata-se de mais um dos jantares "Alfama-te a 10", promovidos pela associação Alfama-te, e que servem de pretexto para descobrir (ou redescobrir) alguns can
Versão para impressão
Se uma noite, ao passear nas ruas de Alfama, encontrar uma mesa posta para 10 pessoas, não se admire. Trata-se de mais um dos jantares “Alfama-te a 10”, promovidos pela associação Alfama-te, e que servem de pretexto para descobrir (ou redescobrir) alguns cantos de Lisboa, ao mesmo tempo que se conhecem novas pessoas e, quem sabe, se iniciam novas amizades. O Boas Notícias participou e ficou “alfamado”.

Pouco depois das 21h30 já estava o grupo do jantar “Alfama-te a 10” reunido no ponto de encontro. Éramos mais mulheres do que homens (oito para dois) e as idades variavam entre os 20 e os 40 anos, embora a maioria rondasse a casa dos 30.

O pátio escolhido para o jantar desta noite, uma sexta-feira, foi o largo de Santo Estêvão, ao lado da Igreja que dá nome ao largo e que foi completamente reedificada em 1733, sobre as fundações de um antigo templo do século XII. Com vista para o Tejo, Alfama e as estrelas – que nessa noite eram muitas – a conversa desfiou-se aos poucos. E apesar de sermos 10 desconhecidos, não houve momentos de silêncio.

Claro que o incentivo dos elementos da associação – que organizam pequenos jogos iniciais para dinamizar as conversas – ajudou a quebrar o gelo. Entre garfadas e goles de vinho ou sangria falou-se um pouco de tudo: de trabalho, de memórias de infância, de taras e manias. A comida – que é confecionada por moradores do próprio bairro – podia ter sido mais surpreendente mas não deixou ninguém com fome.

Depois do jantar, o grupo encaminhou-se para outros recantos de Alfama, como o Tejo Bar, no beco do Vigário, onde houve guitarras e fado castiço. A noite acabou já tarde, na “casa” da Bela, um refúgio ideal para petiscos e conversas fora de horas, na Rua dos Remédios. Na despedida, ficou a promessa de um novo encontro entre estas 10 pessoas que, agora, já não serão assim tão desconhecidas.

Image and video hosting by TinyPic

Frederico Carvalho, um dos sócios fundadores da associação Alfama-te, explicou ao Boas Noticias que o “Alfama-te a 10” começou em Abril de 2011 e “tem sido um dos programas mais bem-sucedidos da associação”. “Costumam aparecer mais mulheres do que homens porque penso que as mulheres são mais aventureiras, mas aparece todo o tipo de pessoas e de todas as idades, dos 18 aos 70”, sublinha.

Mostrar Alfama aos portugueses

O “Alfama-te a 10” é o programa mais regular da associação mas há outros eventos que surgem ao longo do ano, sendo que a regra é acontecerem sempre no bairro de Alfama. A ideia, diz Frederico, é mesmo “promover a zona, trazer as pessoas para cá, seja de noite seja de dia”. “Queremos lutar para que o comércio, as casas, os restaurantes, as coletividades continuem vivas, sendo que algumas estão tão abandonadas que ameaçam fechar portas”, salienta.

A associação nasceu um pouco por acaso. Frederico era um dos embaixadores do Couchsurfing (rede social para partilhar casa ou conhecer novas pessoas  enquanto se viaja) de Lisboa e percebeu, quando organizava eventos de acolhimento a estrangeiros, “que os turistas conheciam melhor os recantos da cidade do que os próprios lisboetas”. Por isso, Frederico mais alguns amigos decidiram “inverter as atividades” e, em vez de as dirigir a estrangeiros, passaram a dirigi-las a quem vive em Lisboa.

A associação tem várias iniciativas dispersas ao longo do ano – alguma coisa melhor, por exemplo, do que uma venda de garagem onde qualquer pessoa pode “despachar” os peluches, os CDs ou os vestidos que já não saem do armário? – mas a principal aposta são as festas temáticas.

Image and video hosting by TinyPic

Qualquer pretexto serve para Alfamar

Desde a festa da Declaração da Independência de Alfama  onde nasceu o “alfamarei” (a nova moeda do bairro), à Festa do Desempregado onde foram divulgadas ofertas reais de emprego, passando pela Festa do Avental numa alusão à maçonaria, “qualquer assunto que esteja mais ou menos na ordem do dia serve de pretexto para organizar um evento Alfama-te”.

Alguns moradores mostraram, no início, alguma desconfiança com esta coisa de “alfamar” o seu bairro, mas agora, garante Frederico, acolhem o projeto com carinho. “Os moradores mais antigos achavam que queríamos transformar Alfama num Bairro Alto mas já perceberam que nós queremos revitalizar o bairro, queremos que as pessoas conheçam e respeitem Alfama tal como ela é”, salienta.

Se “rotina” e “previsível” são palavras que não quer incluir no seu vocabulário, vale a pena Alfamar-se por uma das festas ou eventos da associação. Os jantares “Alfama-te a 10” têm um custo de 20 euros e decorrem, normalmente, uma vez por semana, às quartas-feiras (poderão acontecer noutros dias da semana se a procura for muita).

As outras iniciativas vão sendo divulgadas no Facebook do grupo, a plataforma escolhida pela associação para partilhar com os “alfamados” que por aí andam – e que neste momento são já mais de 10.500 – todas as novidades.

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório