Ciência

Nova tecnologia permite carregar telemóveis com urina

Uma equipa de cientistas britânicos conseguiu carregar a bateria de um telemóvel com urina humana. O feito foi conseguido através da contaminação de pilhas com bactérias capazes de transformar a matéria orgânica presente na urina em eletricidade.
Versão para impressão
Uma equipa de cientistas britânicos conseguiu carregar a bateria de um telemóvel com urina humana. O feito foi conseguido através da contaminação de umas pilhas especiais com bactérias capazes de transformar a matéria orgânica presente na urina em eletricidade.
 
Com estas pilhas microbianas (Microbial Fuel Cells – MFC), à base de combustível, a equipa de Ioannis Ieropoulos foi capaz de enviar uma mensagem e fazer uma chamada com o telemóvel.

Repletas de bactérias capazes de consumir e decompor a matéria orgânica da urina, estas pilhas armazenam a carga elétrica que é produzida pelos eletrões resultantes deste processo de decomposição.
 

As bactérias presentes nas pilhas de combustível são as mesmas que se encontram nos sedimentos e intestinos humanos. Ao entrarem em contacto com os químicos presentes no líquido da urina, dão origem à produção de eletrões, geradores de eletricidade.
 
A tecnologia foi desenvolvida por especialistas do Laboratório de Robótica de Bristol, em parceria com as universidades de Bristol e do Oeste da Inglaterra. 
 
“Isto é uma estreia mundial. Ninguém tinha aproveitado energia da urina para fazer isto. Nada é mais ecológico do que usar um resíduo final como fonte de energia para produzir eletricidade”, refere o líder da investigação, em comunicado de imprensa.

Uma fonte de energia nunca antes utilizada
 

Ioannis Ieropoulos explica que “a eletricidade é um subproduto do ciclo de vida natural dos micróbios, pelo que quanto mais urina comem, mais energia geram e por longos períodos de tempo.”
 
Embora a quantidade de energia gerada pelas MFCs seja em pequenas quantidades, esta é a primeira vez que alguém carrega diretamente a bateria de um aparelho com recurso a estas cargas biológicas.
 
“Até agora, a pilha de combustível microbiana que desenvolvemos gera energia suficiente para enviar sms, navegar na Internet e fazer uma breve chamada telefónica. O conceito foi já foi testado e funciona. Agora compete-nos refinar o processo, para desenvolvermos pilhas de combustível microbianas que carregam completamente uma bateria”, acrescenta o especialista.
 
Neste momento, a inovação tem as dimensões da bateria de um carro e é composta por uma cascata de pilhas de combustível microbianas, por onde entra e sai a urina. A equipa acredita, contudo, que é possível reduzir-lhe o tamanho, para que seja de fácil transporte. 
 
Com esta descoberta a equipa deu mais um passo na concretização do seu maior objetivo: fazer das nossas casas de banho autênticas centrais onde se gera eletricidade através da urina. Tanto as luzes, como os secadores de cabelo, as máquinas de barbear, as escova dos dentes elétricas e, claro, os telemóveis, seriam alimentados desta forma. 

Notícia sugerida por Elsa Fonseca e Maria da Luz

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub