Saúde

Nova técnica renova neurónios e melhora memória

A investigação da Universidade de Harvard encontrou uma maneira de favorecer a integração de novos neurónios no cérebro, o que, por sua vez, favorece a formação de novas memórias.
Versão para impressão
A investigação da Universidade de Harvard, realizada em ratinhos, encontrou uma maneira de favorecer a fixação de novos neurónios no cérebro e, assim, melhorar o funcionamento da memória.

No que diz respeito aos biliões de neurónios existentes nos nossos cérebros, o valor registado no nascimento é o mesmo ao longo da vida toda – com exceção dos neurónios do hipocampo.

Enterrado sob as dobras do córtex cerebral, o hipocampo cria neurónios novos do início ao fim das nossas vidas, levando a uma  “luta” entre os novos e os antigos neurónios à medida que os novos tentam ganhar espaço no centro de formação de memória do cérebro – uma luta onde, normalmente, quem vence são os velhos e desgastados neurónios.

 
Uma nova investigação do Harvard Stem Cell Institute (HSCI), publicada na revista científica Neuron, revelou uma maneira de favorecer a fixação de novos neurónios no cérebro, o que, por sua vez, melhora o funcionamento da memória.
 
"O hipocampo permite a formação de novas memórias relacionadas com 'o quê, quando e onde' das coisas, o que nos ajuda a navegar pela vida ", comentou à revista EurekAlert Amar Sahay, autor sénior do estudo.
 
Sabe-se que, à medida que cérebro humano envelhece, as conexões entre os neurónios mais velhos tornam-se mais fortes, numerosas e interligadas, o que faz com que a integração de novos neurónios seja mais difícil.

Um declínio na integração de novos neurónios, consequentemente, faz com que seja mais difícil classificar as nossas memórias, dificultando a sua separação e recuperação nos momentos certos.

Por outras palavras, sem a integração de novos neurónios não conseguimos formar com clareza ou distinção novas memórias.

Uma alteração ao cérebro temporária e reversível

 
Neste novo estudo, realizado em ratinhos, os investigadores conseguiram influenciar a integração de novos neurónios através de um processo temporário onde um certo gene, o Klf9, é sobre-expressado

O processo é reversível, sendo que o gene só fica sobre-expressado durante alguns momentos em que a integração de novos neurónios é assegurada.

 
Os testes clínicos provaram que os ratos onde o gene foi sobre-expressado criaram memórias mais fortes e precisas, existindo menos confusão entre memórias similares.
 
"Acreditamos que, ao aumentar a capacidade do hipocampo de fazer o que é suposto fazer e não recuperar experiências passadas quando não deve, pode ser uma grande ajuda para as pessoas", disse o Dr. Sahay.
 
Embora ainda não esteja disponibilizada informação sobre testes em seres humanos, esta técnica seria particularmente útil para indivíduos que sofrem de distúrbio de stress pós-traumático, disfunções cognitivas ligeiras ou perda de memória relacionada com a idade. 

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório