Fechar



Registe-se na nossa newsletter







Cafeína pode evitar cancro cutâneo

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011
Cafeína pode evitar cancro cutâneo
Uma investigação norte-americana revela que a cafeína pode mesmo ser eficaz na prevenção do cancro de pele. A hipótese já tinha sido levantada mas foi agora reforçada por este grupo de investigadores da Universidade Rutgers, em New Jersey.

O estudo, feito em colaboração com a Universidade de Washington e aplicado em ratos, aponta para que a cafeína interfira na atividade de um gene envolvido na destruição de células cancerígenas.

As conclusões da pesquisa, conduzida por Allan Conney, diretor do Susan Lehman Laboratório para Investigações sobre o Cancro, foram esta segunda-feira divulgadas na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Os investigadores utilizaram ratos geneticamente modificados, com genes ATR (que controlam o ciclo celular) deficientes. Os animais foram expostos, durante 19 semanas, a radiações ultravioleta. Ao mesmo tempo, um grupo de ratos não-modificados também foi exposto.





FERRAMENTAS
Imprimir
SAúDE
COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus
Termos de serviço
MULTIMÉDIA
  • E se na rua fôssemos como nas redes sociais?
  • Já está à venda o pneu que nunca rebenta
  • Voz de familiares ajuda a sair do coma
  • EUA: Golfinho resgatado faz 'dança de agradecimento'
  • Aparelho permite 'ouvir' através da língua
  • NASA apresenta a maior foto espacial de sempre...
  • Viktória Modesta: a primeira cantora pop biónica
  • Homem que só tem uma mão torna-se pianista famoso
  • Concurso oferece volta ao mundo até à Austrália
  • Exoesqueleto devolve mobilidade a pessoas paralisadas
  • Pedido de casamento durante concerto de Tuna
  • Cão segue dono que ia na ambulância até ao hospital
  • Jovem surpreende pais pagando hipoteca da casa
  • Google revela protótipo final de carro sem condutor
  • Macaco salva 'amigo' inanimado na linha de comboio
DESTAQUES


PÁGINAS AZUIS
The Agency.pt ®. Todos os direitos reservados 2011 - 2015.
O BoasNoticias.pt demorou 0.240 segundos a carregar