Em Destaque Sociedade

NOS e ENTRAJUDA aliam-se contra a infoexclusão

Unidas em prol da democratização do acesso às tecnologias da informação, nomeadamente junto de comunidades mais desfavorecidas, a NOS e a ENTRAJUDA assinaram um protocolo de cooperação que visa entregar computadores a IPSS nacionais.
Versão para impressão

Isabel Borgas, diretora de Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da NOS, e Isabel Jonet, presidente da ENTRAJUDA, assinaram em representação das duas entidades, um protocolo de parceria que visa, através da doação de 300 computadores, monitores e respetivos periféricos, contribuir para a inclusão digital daqueles que ainda se deparam com dificuldades de acesso a estes equipamentos.

Esta iniciativa ganha ainda mais relevância, depois de conhecidos os números do barómetro GFK-MUDA que revela que, apesar de cada vez em menor número, 19% da população portuguesa ainda não utiliza internet. A principal razão apontada para esta não utilização, por 43% dos inquiridos, é o facto de não saber usar a internet. No entanto, 26% refere que não possuir os equipamentos necessários é ainda uma barreira para a utilização da internet.

Para além do impacto positivo a nível social, esta parceria traz ainda benefícios ambientais ao contribuir para um menor desperdício de recursos e promovendo uma economia circular de equipamentos informáticos, através da sua reutilização.

Os equipamentos que compõem a doação são cedidos pela NOS cabendo à ENTRAJUDA a distribuição dos mesmos, em função das necessidades identificadas junto da sua rede de instituições parceiras.

Segundo Isabel Borgas, “Numa era global e cada vez mais digital, a tecnologia tornou-se um meio fundamental para ligar as pessoas. Acreditamos que em rede, através de parcerias como esta que agora celebramos com a ENTRAJUDA, a NOS não só está a contribuir para uma sociedade mais sustentável, como reforça o seu papel de agente ativo na capacitação para as competências digitais das organizações do terceiro setor”.

“Também no setor social a tecnologia é hoje determinante. Sensibilizar empresas para a possibilidade de doarem equipamentos que já não têm utilidade para o seu dia-a-dia mas que podem gerar muito valor social é uma das prioridades da ENTRAJUDA, no âmbito do Banco de Bens Doados e enquadra-se totalmente no conceito de Economia Circular: dar nova vida a equipamentos que teriam como destino provável a destruição, protege o ambiente e neste caso específico contribui para reforçar a rede de solidariedade social. Os equipamentos doados pela NOS serão entregues a instituições que podem assim ter meios e lutar com mais eficiência contra a pobreza”, declara Isabel Jonet.

*Fonte: Barómetro GFK/MUDA de maio de 2018.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub