Saúde

Mulheres: Comer peixe diminui risco de depressão

Comer peixes gordos, como o salmão e o atum, pelo menos duas vezes por semana, permite reduzir em até 25% o risco de depressão nas mulheres. A conclusão é de um estudo realizado por investigadores australianos.
Versão para impressão
Comer peixes gordos, como o salmão e o atum, pelo menos duas vezes por semana, permite reduzir em até 25% o risco de depressão nas mulheres. A conclusão é de um estudo realizado por investigadores australianos e publicado em Abril na revista científica American Journal of Epidemiology.
 
A investigação, conduzida por uma equipa do Menzies Research Institute na Tasmânia, Austrália, acompanhou mais de 1.400 homens e mulheres com idades entre os 26 e os 36 anos ao longo de um período de cinco anos, tendo todos os participantes mantido diários onde davam conta dos seus hábitos alimentares (nos quais se incluíam vários tipos de peixe e marisco).
 
Os especialistas, coordenados por Kylie J. Smith, concluíram que a regularidade da inclusão do peixe, em especial dos peixes ricos em gorduras saudáveis como o ácido ómega-3, na dieta se traduzia numa redução de até 25% no risco de depressão no sexo feminino. 
 
Os benefícios do consumo de peixes como o atum e o salão mantiveram-se, nas mulheres, mesmo depois de considerados fatores associados ao estilo de vida como os hábitos tabágicos, o peso, a prática de exercício físico, o consumo de álcool, a educação e a situação profissional.
 
Por outro lado, no caso dos homens, a equipa australiana não observou quaisquer efeitos protetores. Estes resultados levam os investigadores a acreditar que os elevados níveis de ácidos gordos ómega-3 presentes nestes tipos de peixe podem combinar-se com duas das principais hormonas femininas, a progesterona e o estrogénio, ajudando a que o cérebro se mantenha a funcionar normalmente e com saúde.
 
“As mulheres que, pelo menos, comeram peixe mais de duas vezes por semana apresentaram um risco 25% inferior de vir a sofrer de depressão durante o acompanhamento realizado do que as que incluíam este tipo de alimento na sua dieta com uma menor frequência”, explicam os cientistas.
 
“O facto de esta associação entre o peixe e a saúde do cérebro nas mulheres não se ter observado nos homens pode ter a ver com o facto de estes últimos ingerirem mais ácidos gordos provenientes de outras fontes alimentares, particularmente a carne”, acrescenta a equipa no artigo, considerando que “as interações entre as hormonas sexuais e os ácidos gordos ómega-3 podem proporcionar uma outra explicação”.
 
Segundo os investigadores, “estas descobertas vêm juntar-se às evidências anteriores de que o consumo de peixe pode ser vantajosa para a saúde mental feminina”. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub