Cultura

Moura acolhe museu de joalharia contemporânea

No passado sábado, foi inaugurado em Moura o primeiro museu português de joalharia contemporânea. Alberto Gordillo, artista natural daquele município, dá o nome à instituição - cuja criação foi proposta sua - e doa 226 peças suas para exposição, 50 d
Versão para impressão
No passado sábado, foi inaugurado em Moura o primeiro museu português de joalharia contemporânea. Alberto Gordillo, artista natural daquele município, dá o nome à instituição – cuja criação foi proposta sua – e doa 226 peças suas para exposição, 50 das quais poderão ser vistas permanentemente.

O museu está instalado no edifício do antigo quartel dos bombeiros da cidade e o seu espólio inclui jóias criadas entre os finais dos anos 1950 e a atualidade. Uma delas é a primeira peça de joalharia moderna criada em Portugal, um colar-gola de 1959.

Contudo, o objetivo do Museu Alberto Gordillo é estimular o desenvolvimento da indústria e realçar a sua importância como património cultural de uma nação.

“A joalharia contemporânea desviou-se das formas industriais para se afirmar como uma expressão de arte. O museu é mais um passo para a afirmação dessa expressão de arte”, explicou à agência Lusa aquele que é considerado o pioneiro da joalharia moderna portuguesa.

Neste sentido, o museu viverá não só das exposições, mas também da realização de oficinas de joalharia e concursos para jovens criadores. Será também estabelecido um centro de documentação com mais de mil publicações sobre Alberto Gordillo e a sua arte, entre artigos de jornais e revistas, catálogos e livros.

Alberto Gordillo nasceu em Moura em 1943, mas foi em Lisboa que começou a aprender ourivesaria tradicional na oficina de um familiar, tendo inaugurado depois uma ourivesaria “extravagante” para a época, utilizando novos materiais.

“A jóia contemporânea não vive de valor material, mas de valor artístico”. Pode, por isso, “ser feita com pedras da rua, com metais preciosos ou parafusos”, contou o artista à Lusa, esclarecendo que as suas peças “são como um espetáculo” para exibição e “não para usar” como um adereço.

Além de jóias artísticas, Alberto Gordillo criou protótipos para fábricas de ourivesaria, a partir dos quais foram reproduzidas milhares de peças.

O joalheiro criou também jóias de alta joalharia, como o colar-teia com 300 gramas de platina e 150 brilhantes, que foi exibido e vendido na Bolsa de Diamantes de Londres, um dos mais importantes mercados joalheiros do mundo.

[Notícia sugerida pelo utilizador Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub