Saúde

Mortes por AVC diminuem em Portugal

As mortes por Acidente Vascular Cerebral (AVC) estão a diminuir, mas Portugal continua a ter a incidência mais alta da União Europeia, com dois portugueses a morrerem por hora devido a esta doença que é "prevenível e tratável", conforme alertam os es
Versão para impressão
As mortes por Acidente Vascular Cerebral (AVC) estão a diminuir, mas Portugal continua a ter a incidência mais alta da União Europeia, com dois portugueses a morrerem por hora devido a esta doença que é “prevenível e tratável”, conforme alertam os especialistas.

O presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) confirmou à Lusa que tem “havido uma redução de cerca de 1% por cento ao ano” desta doença, um valor “muito significativo”. O mesmo especialista alerta que apesar de a situação ter vindo a melhorar em Portugal, “continuamos a ter uma incidência muito alta, a mais alta da União Europeia”.

Como razões para esta melhoria, Manuel Carrageta aponta o “maior controlo da hipertensão arterial, uma ação muito meritória dos médicos de família” e a redução do consumo de sal para o qual contribuiu a legislação que obrigou à diminuição deste condimento no pão, “uma medida de grande alcance na saúde pública”.

“Até há pouco tempo, um em cada quatro portugueses morria de AVC. Neste momento é um em cada cinco, mas ainda é um número muito elevado”, realçou.

Para o presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral, os portugueses estão mais atentos: “Hoje as pessoas falam mais, sabem o que é o AVC e temem-no porque continua a ser a primeira causa de morte e de incapacidade em Portugal”, apesar de “haver progressos na taxa de mortalidade”.

Castro Lopes adiantou que, apesar de ser uma doença “prevenível”, continua a ter um “peso muito grande”: “Além da taxa de mortalidade, sabemos que ao fim do primeiro mês cerca de 20% dos doentes falecem e ao fim de um ano 30% dos sobreviventes ainda podem morrer”.

Por outro lado, acrescentou, cerca de metade dos que sofrem um AVC ficam com alguma incapacidade para as atividades da vida diária. E a recuperação destes doentes tem de ser assegurada: “A recuperação não é uma esmola que se dê a um doente, é um direito que o doente tem para toda a vida”.

Castro Lopes salientou que “hábitos de vida modificados contribuem extraordinariamente para prevenir um AVC e não custa nada ao Estado e aos doentes”.

Na quinta-feira assinala-se o Dia Nacional do Doente com AVC.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub