Sociedade

Moçambique: associação lusa ajuda orfãos da Sida

Um documentário da SIC intitulado "Eu e os meus irmãos", que filmado em 2009, mostrava o trabalho associação moçambicana Mahlahle que acolhia crianças moçambicanas órfãs da SIDA onde apenas um menor tinha sido apadrinhado. Atualmente, e graças à divu
Versão para impressão
Um documentário da SIC intitulado “Eu e os meus irmãos”, que filmado em 2009, mostrava o trabalho associação moçambicana Mahlahle que acolhia crianças moçambicanas órfãs da SIDA onde apenas um menor tinha sido apadrinhado. Atualmente, e graças à divulgação feita, são já cerca de 100 as crianças de Inhambane apadrinhadas por portugueses.

De acordo com a Lusa, as histórias destes meninos sensibilizaram três jovens portuguesas que passados alguns meses depois criaram a associação Eu e os Meus Irmãos. Desde junho do ano passado têm vindo a trabalhar com a Mahlahle, promovendo o apadrinhamento em Portugal.

“O impacto foi tão grande que agora temos cerca de cem padrinhos”, explicou à Lusa Olga Macupulane, feliz pelos “muitos aspetos positivos” e pela “viragem da noite para o dia” que a reportagem trouxe.

Os 26,5 euros atribuídos a cada criança chegam, “infalivelmente”, todos os meses à organização e depois aos meninos, que às vezes recebem também brinquedos, roupa e medicamentos dados pelos padrinhos.

O contato com os afilhados é mantido por telefone, fotografias ou cartas, servindo o dinheiro para comprar produtos alimentares, de higiene, material escolar, ficando uma parte para os “imprevistos”, explica a coordenadora.

As funções de ambas as entidades estão bem delineadas: enquanto a portuguesa providencia os fundos, a moçambicana tem a responsabilidade de ajudar social e afetivamente as crianças, através de grupos comunitários de mulheres, preparados para tal.

Em 2011, a associação Eu e os Meus Irmãos acredita que irá conseguir aumentar mais o número de filiados, conforme conta Olga Macupulane, que tem outras 300 crianças em condições de serem apadrinhadas.

A Mahlahle está presente em 13 distritos e para além de prosseguir com os projetos de capacitação da mulher vai continuar a procurar fundos para construir mais um centro na Maxixe, com o apoio da associação portuguesa.

Leia AQUI a entrevista do Boas Notícias a uma das fundadores da associação.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub