Saúde

Mini-máscara cura roncos e apneia do sono

Um novo micro-respirador, que encaixa diretamente nas narinas, promete acabar com a apneia do sono e com o ressonar. O Airing mede menos de 2 centímetros e funciona como uma pequena bomba que mantém as vias respiratórias abertas.
Versão para impressão
Um novo micro-respirador, que encaixa diretamente nas narinas, promete acabar com a apneia do sono e com o ressonar. O Airing mede menos de 2 centímetros e funciona como uma pequena bomba que mantém as vias respiratórias abertas.
 
A apneia do sono é um transtorno que provoca pequenas paragens de respiração quando a pessoa está a dormir. Isto afeta profundamente a qualidade do sono, que fica fragmentado e não se torna reparador. A apneia também prejudica a oxigenação do cérebro dando origem a um maior risco de hipertensão, de arritmias e de enfartes noturnos.
 

Muitos pacientes com este problema têm de usar, durante o sono, umas máscaras conhecidas como CPAP (sigla de 'Continuous Positive Airway Pressure') que obrigam as vias aéreas a manterem-se abertas permitindo a passagem contínua do ar.  O problema é que estas máscaras são demasiado grandes, caras e desconfortáveis para dormir. 

Mas o novo gadget – que mede apenas alguns centímetros e encaixa diretamente nas narinas – promete, dizem os mentores do aparelho, conseguir os mesmos resultados que a máscara CPAP.

O Airing encaixa perfeitamente nas narinas e contém dezenas de bombas de ar minúsculas que injetam o ar para as vias respiratória com força suficiente para manter aqueles canais abertos. Além de combater a apneia, o Airing também promete acabar com o ressonar.

 
“O segredo”, explica Stephen A. Marsh, o mentor do projeto, “é um sistema que funciona com centenas de micro-bombas que recorrem a energia eletrostática para empurrar o ar”. Para garantir uma longa duração, a micro-máscara recorre a baterias de zinco, as mesmas que são usadas nos aparelhos auditivos.
 
O Airing foi financiado através de uma campanha de 'crowdfunding' onde alcançou mais 100% de financiamento do que estava a tentar angariar, ou seja, mais de 1 milhão de dólares.

Embora esteja pronto para comercializar, por um preço que deverá rondar os 3 euros, o equipamento aguarda neste momento a autorização da Food and Drugs Administration (a entidade que regula a introdução de novos medicamentos e soluções médicas nos EUA). 

Segundo os especialistas, estima-se que, em Portugal, este problema afete cerca de um milhão de pessoas.

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório