Inovação e Tecnologia

Mais segurança com iluminação pública eficiente

Investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) estão a desenvolver o controlo inteligente de um conjunto de novas luminárias com tecnologia LED. Estas permitem reduzir os consumos de iluminação pública em mais
Versão para impressão
Investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) estão a desenvolver o controlo inteligente de um conjunto de novas luminárias com tecnologia LED. Estas permitem reduzir os consumos de iluminação pública em mais de 50% e garantem maior segurança nas ruas.

A tecnologia, desenvolvida pela empresa Arquiled em parceria com o Instituto de Sistemas e Robótica da FCTUC e a EDP, já está a ser testada no edifício central da FCTUC e, até ao momento, as vantagens têm sido evidentes.

A tecnologia LED (Light Emitting Diode) assegura maior eficiência luminosa e tempo de vida. Outra das vantagens é o seu Índice de Restituição de Cor (capacidade que uma fonte luminosa possuí em restituir fielmente as cores), a possibilidade de seleccionar diferentes temperaturas de cor e de poder integrar facilmente em sistemas dinâmicos e adaptativos de gestão (conceito smart-grids).

Em termos de eficiência energética, as novas luminárias podem vir a reduzir os consumos de iluminação pública em 75%, o que representa um potencial de poupança de cerca de 100 milhões de euros por ano.

“Estima-se que 20% do consumo total de energia mundial esteja relacionado com sistemas de iluminação. Em Portugal, o consumo devido à Iluminação Pública foi referenciado em 1.545 GWh no ano de 2009, com uma média de crescimento anual de 4,3% desde 2005”, refere o coordenador do projeto NEUROCITY, Aníbal Traça de Almeida.

“Com os preços da energia a subir vertiginosamente e os compromissos com programas estruturais para combater as alterações climáticas, urge encontrar novas formas de energia e utilizar mais eficientemente a energia que dispomos”, acrescenta ainda, em comunicado oficial da FCTUC.

O responsável explica que a tecnologia foi concebida também a pensar em questões de segurança nas ruas, “indo ao encontro das novas diretivas europeias para a Iluminação Pública que são mais exigentes em termos luminotécnicos (iluminação vertical) em zonas consideradas de elevado risco, onde será necessário garantir um melhor reconhecimento das formas, nomeadamente reconhecimento facial”.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório