Mundo

Jovem com braço robô concretiza sonho e toca bateria

Nos EUA, um jovem consegue voltar a tocar bateria depois de perder parte do braço direito, devido a um acidente de trabalho, há dois anos. Na altura, Jason Barnes viu-se obrigado a desistir de uma das maiores paixões da sua vida: a música. Agora, gra
Versão para impressão
Nos EUA, um jovem consegue voltar a tocar bateria depois de perder parte do braço direito, devido a um acidente de trabalho, há dois anos. Na altura, Jason Barnes viu-se obrigado a desistir de uma das maiores paixões da sua vida: a música. Agora, graças a uma prótese robótica, eis que o mesmo consegue voltar a tocar e de forma ainda mais impressionante.
 
Jason tocava bateria desde os 15 anos de idade e desde então que raramente não vivia sem um par de baquetas nas mãos. Há dois anos, no entanto, tudo mudou. Quando trabalhava num restaurante, um grave choque elétrico obrigou-o a amputar a parte inferior do seu braço direito. 
 
No entanto, nem aí o jovem estudante do Atlanta Institute of Music and Media desistiu do sonho, estabelecendo como prioridade encontrar uma prótese que lhe permitisse continuar a tocar bateria. Inicialmente, o próprio desenhou e construiu uma prótese mas esta só lhe permitia mover o cotovelo para cima e para baixo, sem deixar controlar aspetos como a velocidade, o pulso, os dedos e a própria baqueta. 
 
Entretanto, o caso chegou aos ouvidos de Gil Weinberg, professor no Georgia Tech Center for Music Technology, que criou um braço robótico para o jovem, capaz, inclusive, de segurar e tocar duas baquetas em simultâneo. Desta forma, o mecanismo não só deixa Jason continuar a tocar bateria normalmente, como ainda melhora a sua performance.


Segundo o Telegraph, o funcionamento da prótese consiste em duas aplicações distintas, responsáveis pelo movimento de cada baqueta. Enquanto uma tem por base o ritmo estabelecido pela contração dos bíceps do músico, detetado através de sensores, a outra trabalha através de algoritmos computorizados, “ouvindo” os sons produzidos por Jason por forma a improvisar o ritmo.
 
Ou seja, é como se a segunda baqueta tivesse um cérebro próprio, sendo capaz de identificar aquilo que está a ser tocado e de improvisar. “É interessante ver o Jason a tocar tão bem e a improvisar, sabendo que há uma parte do braço que ele não controla”, diz o docente.
 
Se assim o entender, o baterista pode trabalhar apenas com uma baqueta, passando a estar totalmente no controlo da bateria. Caso contrário, pode sempre optar pela segunda baqueta que o vai ouvir e surpreender com ritmos inspirados nos sons e nos movimentos do seu próprio braço.
 
Feitas as contas, o novo braço de Jason confere-lhe a capacidade de trabalhar com três baquetas ao mesmo tempo: uma na mão esquerda, como já era normal, e duas na mão direita, controladas pela sua prótese robótica.

“Aposto que muitos bateristas do 'metal' têm inveja do que eu sou capaz de fazer agora”, brinca Jason. “Ter velocidade é bom e quanto mais rápido melhor”, acrescenta o baterista que, graças ao novo implante, vai dar um concerto de apresentação, em público, no próximo dia 22 de Março, no Atlanta Science Festival.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub