Inovação e Tecnologia

Jogo para crianças autistas apresentado no Porto

O videojogo LIFEisGAME, desenvolvido para crianças autistas por um grupo de investigadores da Universidade do Porto, vai ser apresentado, oficialmente, no dia 11 de Junho, na Invicta.
Versão para impressão
O videojogo LIFEisGAME, desenvolvido para crianças autistas por um grupo de investigadores da Universidade do Porto, vai ser apresentado, oficialmente, no dia 11 de Junho, na Invicta.

A participação no evento é gratuita, mas sujeita a inscrição através do site da Universidade. Os primeiros 20 registos de confirmação de presença receberão uma versão gratuita da aplicação.

 

Chamado LIFEisGAME, este jogo, já noticiado pelo Boas Notícias, combina tecnologia altamente inovadora com ferramentas comuns dos videojogos numa forma que permite trabalhar aspetos relacionados com a comunicação em crianças com Desordem do Espetro Autista.
 

O LIFEisGAME apresenta o mesmo leque de personagens, aventura e diversão que qualquer outro videojogo. A única particularidade é o facto de ter sido pensado para ajudar crianças com Perturbações do Espetro Autista a desenvolver as suas capacidades comunicativas, de um modo lúcido e livre de stress.

Com o LIFEisGAME, tudo isso é possível num ambiente onde se cruzam personagens virtuais com a análise em tempo-real de expressões faciais. Através desta abordagem pioneira, os investigadores querem ensinar as pessoas com Desordem do Espectro Autista a reconhecer emoções faciais, usando uma metodologia de análise de expressão facial automática e em tempo real. 


Esta é uma valência de especial importância para os cientistas, tendo em conta que a capacidade dos autistas responderem social e emocionalmente a emoções faciais é um dos aspetos mais críticos ao nível do desenvolvimento das suas capacidades de comunicação.
 
Iniciado em 2010, o projeto envolveu um financiamento total de cerca de 230 mil euros e tem vindo a despertar a curiosidade da comunidade médica e científica. Prova disso são os vários prémios internacionais conquistados, casos do ACM SIGGRAPH e do Sketch-Based Interfaces and Modeling.
 
O projeto é liderado por Verónica Orvalho, docente do Departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP), e conta com a participação de outros investigadores da U.Porto.

A estes juntam-se nomes como Jake K. Aggarwal, investigador da Universidade do Texas em Austin e referência internacional na área da visão computacional, Miguel Sales Dias, Diretor da Microsoft, cuja colaboração incide na inclusão da tecnologia relacionada com o reconhecimento da fala no processo da criação automática em personagens virtuais.

A ideia deste jogo surgiu no âmbito do programa UT Austin – Portugal, numa parceria entre a Universidade do Porto, a Universidade do Texas, a Microsoft, o Instituto de Telecomunicações e o Instituto Politécnico do Porto. 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub