Saúde

Jogo 3D português pode ajudar crianças autistas

NULL
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) criou um conjunto de ambientes virtuais dinâmicos para estimular o desenvolvimento social de crianças com autismo e, simultaneamente, ajudar os médicos na avaliação clínica e monitorização da reabilitação.
 
A plataforma tecnológica é composta por um jogo de computador, um capacete de realidade virtual ou óculos 3D e sensores de EEG (medidores de atividade cerebral). Através destes elementos é possível registar o comportamento das crianças durante o jogo. Depois, as informações são enviadas para um módulo online ao qual os médicos têm acesso.
 
Em comunicado, a Universidade de Coimbra explica que o propósito é “permitir aos clínicos não só efetuar o diagnóstico e prescrever a terapia mais adequada, como monitorizar o doente à distância e registar a sua evolução”.
 
Marco Simões, um dos investigadores responsáveis, afirma que aquilo que se pretende é que “a criança possa, no conforto do lar e num ambiente que não lhe é hostil, realizar os exercícios e remotamente fornecer informação para o clínico que o acompanha”,

Uma vez que os autistas têm grandes limitações em termos de interação social, o investigador do Departamento de Engenharia Informática acrescenta que este conjunto de ambientes virtuais “visa ensinar competências sociais – cumprimentar, sorrir, identificar expressões faciais e repeti-las”.

Para permitir esta aprendizagem, a equipa desenvolveu um jogo de computador com fins pedagógicos e de reabilitação. A evolução no jogo exige que a criança efetue “vários mecanismos de interação social, acabando por interiorizá-los e transpô-los para o dia-a-dia”.
 
A grande novidade desta investigação é o recurso à realidade virtual para o treino de competências no autismo, acompanhada com monitorização neuro-fisiológica. “No jogo a criança interage com pessoas virtuais para, no futuro, interagir com pessoas reais”, conclui Marco Simões.
 
Ainda de acordo com o comunicado da UC, o próximo passo dos investigadores será criar “um design mais apelativo e explorar novas tecnologias de interação naturais, isto é, mais fáceis de usar pelas crianças com autismo”.
 

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório