Portugal Excelência

Jardins verticais portugueses criam raízes lá fora

Do chão para as paredes. Parece impossível, mas a verdade é que a agricultura e a jardinagem já não precisam de terra para ter um lugar na nossa casa. São cada vez mais os adeptos destas culturas verticais que crescem nas paredes das nossas casas.
Versão para impressão
Parece impossível, mas a verdade é que a agricultura e a jardinagem já não precisam de terra para ter um lugar na nossa casa. São cada vez mais os adeptos destas culturas verticais que crescem nas paredes. A ideia é portuguesa e não para de dar cartas lá fora. 

por Margarida Cruz
 

Tudo começou em 2007, quando uma empresa de produtos alimentares se viu obrigada a mudar de estratégia para vingar no mercado. “Começámos a nossa atividade na parte agrícola e quisemos, desde logo, começar a produzir de maneira mais competitiva, pelo que criámos novas forma de cultivo – na vertical”, conta António Rodrigues, ao Boas Notícias.


“Na altura, apostámos na produção de morangos, pimentos, alfaces, etc. Ou seja, só produtos que permitam a apanha à mão. No entanto, neste negócio há uma grande dependência da distribuição e o mercado está nas mãos das grandes superfícies. Não era um caminho a seguir…”, admite.

 
Foi então que começaram a pensar em alternativas: “Lembrámo-nos de que a nossa ideia era uma boa aposta para os grandes centros urbanos, onde as pessoas vivem rodeadas de betão e longe dos prazeres da terra. Então, fizemos um estudo e decidimos arriscar”.
 
E assim nasceu um projeto ecológico revolucionário: um sistema modelado de plantação, em pilha, que permite o cultivo de plantas na vertical, quer no interior quer no exterior das casas. 

“Há um grande problema de espaço nas grandes cidades e as pessoas estão cada vez mais desligadas do verde e da ruralidade. Perdeu-se completamente o contacto com as plantas! O objetivo do Minigarden é oferecer às pessoas a possibilidade de criarem espaços verdes domésticos, aproveitando ao máximo o espaço da casa, incluindo as paredes e os cantos”, explica António Rodrigues.

Uma aposta com a excelência do toque 'gourmet'

 
Com a forma de uma estrutura, em plástico, que se assemelha a uma parede repleta de pequenos vasos, o Minigarden permite o cultivo de todo o tipo de plantas decorativas, ervas aromáticas e vegetais.

“Há uma forte componente gourmet associada ao nosso produto. As pessoas podem cultivar os seus chás, ter os seus próprios temperos e dar um toque pessoal às refeições que preparam. É totalmente diferente ir ao nosso Minigarden e apanhar um bocadinho de manjericão ou de cebolinho para condimentar os nossos pratos, ou colher uns morangos para a sobremesa”, defende.

Prova viva desta vertente de excelência alimentar é Chackall, o chef argentino que conta já com duas instalações de Minigarden vertical. “Tenho uma no meu restaurante em Lisboa e outra em casa, com todo o tipo de ervas aromáticas: erva-príncipe, salsa, coentros, erva-cidreira, entre outros”, revela o chef numa entrevista publicada no site do Minigarden.

Tecnologia inovadora e sucesso garantido
 

Mas ter produtos caseiros e culturas que crescem para o céu não foram suficientes para António Rodrigues. Para marcar a diferença e vingar no mercado internacional, o português quis ir mais além e desenvolveu um sistema de rega capaz de controlar a água e de melhorar a nutrição das plantas.
 
A tecnologia de drenagem planta a planta não permite o excesso de água e impede a propagação de doenças entre culturas, dando uma nova garantia à saúde e vigor das plantas e aumentando a probabilidade de sucesso das plantações.
 
Além disso, em vez da terra, os contentores de plantas são preenchidos com uma mistura de substratos e de matérias orgânicas, que oferecem uma maior nutrição às plantas cultivadas. “Usamos casca de coco, turfas e outros componentes orgânicos, mais sustentáveis”, avança ao Boas Notícias.

Produto 100% português e com raízes em todo o mundo
 

A ideia, 100% nacional e com valor sustentável, está a criar raízes nos quatro cantos do mundo. A estrutura verde do Mingarden faz-se notar em vários dos grandes centros urbanos do planeta, sendo que as exportações correspondem já a 85% da produção. 
 
Europa, Sudoeste Asiático e América Latina são clientes assíduos na agenda de António. Em Hong Kong, por exemplo, na China, quem visitar o Sha Tin Park, um dos maiores jardins da cidade, pode ver um muro de sete metros de altura repleto de Minigarden. Quem for ao Dubai, é também provável que se depare com hotéis de cinco estrelas com paredes decoradas de alto a baixo pela empresa portuguesa. 
 
Ao lado de sete pessoas, há sete anos, António e a equipa trabalham todos os dias para a realização de um sonho: uma “Urban Green Revolution” à escala mundial, mas que começa aqui, em Portugal. 

Clique AQUI para saber tudo sobre o projeto Minigarden.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub